Quem somos?

Minha foto
Somos um Ministério de Evangelização de Crianças da Diocese de São José dos Campos desde 1999. Utilizamos como recurso de evangelização o teatro. Também organizamos formações para evangelizadores e catequistas. Estamos sempre a disposição! Precisando é só mandar um mail para cantinhodanjos@gmail.com Vamos levar nossas crianças para Jesus!!

sábado, 25 de março de 2017

Evangelho de Mateus 21, 1-11

Missa de 09 de Abril de 2017

Resultado de imagem para desenho semana santaDOMINGO DE RAMOS E 
PAIXÃO DO SENHOR

Leituras
Evangelho Mt 21,1-11 (Domingo de Ramos)
Primeira Leitura Is 50,4-7
Salmo 21 / 22
Segunda Leitura Fl 2,6-11 
Evangelho Mt 27,11-54

Mensagem Principal

A liturgia deste Domingo de Ramos e da Paixão do Senhor nos convida a perceber o alcance do amor de Deus Pai, manifestado em Cristo Jesus por todos nós. Para nos salvar, Ele aceitou até mesmo a morte humilhante na Cruz. Com o Domingo de Ramos, também iniciamos a nossa caminhada com Cristo em direção ao calvário, mas sem esquecer que a ressurreição é o nosso fim. Acompanhemos a entrada do Senhor em Jerusalém e celebremos, com piedade, os mistérios da nossa fé, naquela que para nós é a semana maior de nossa fé.
Fonte: Liturgia - Nova Aliança

Para ajudar a refletir e entender o evangelho de hoje:

Preparem-se... estamos preparando o alimento espiritual para os preferidos de Jesus: as crianças!

Evangelho Mt 21,1-11 
Tema do Domingo de Ramos

A liturgia deste último domingo da Quaresma convida-nos a contemplar esse Deus que, por amor, desceu ao nosso encontro, partilhou a nossa humanidade, fez-Se servo dos homens, deixou-Se matar para que o egoísmo e o pecado fossem vencidos. A cruz (que a liturgia deste domingo coloca no horizonte próximo de Jesus) apresenta-nos a lição suprema, o último passo desse caminho de vida nova que, em Jesus, Deus nos propõe: a doação da vida por amor.
A primeira leitura apresenta-nos um profeta anónimo, chamado por Deus a testemunhar no meio das nações a Palavra da salvação. Apesar do sofrimento e da perseguição, o profeta confiou em Deus e concretizou, com teimosa fidelidade, os projectos de Deus. Os primeiros cristãos viram neste “servo” a figura de Jesus.
A segunda leitura apresenta-nos o exemplo de Cristo. Ele prescindiu do orgulho e da arrogância, para escolher a obediência ao Pai e o serviço aos homens, até ao dom da vida. É esse mesmo caminho de vida que a Palavra de Deus nos propõe.
O Evangelho convida-nos a contemplar a paixão e morte de Jesus: é o momento supremo de uma vida feita dom e serviço, a fim de libertar os homens de tudo aquilo que gera egoísmo e escravidão. Na cruz, revela-se o amor de Deus – esse amor que não guarda nada para si, mas que se faz dom total.

Evangelho Mt 27,11-54
Mensagem

A morte de Jesus tem de ser entendida no contexto daquilo que foi a sua vida. Desde cedo, Jesus apercebeu-Se de que o Pai O chamava a uma missão: anunciar esse mundo novo, de justiça, de paz e de amor para todos os homens. Para concretizar este projecto, Jesus passou pelos caminhos da Palestina “fazendo o bem” e anunciando a proximidade de um mundo novo, de vida, de liberdade, de paz e de amor para todos. Ensinou que Deus era amor e que não excluía ninguém, nem mesmo os pecadores; ensinou que os leprosos, os paralíticos, os cegos, não deviam ser marginalizados, pois não eram amaldiçoados por Deus; ensinou que eram os pobres e os excluídos os preferidos de Deus e aqueles que tinham um coração mais disponível para acolher o “Reino”; e avisou os “ricos” (os poderosos, os instalados), de que o egoísmo, o orgulho, a auto-suficiência, o fechamento só podiam conduzir à morte.

O projeto libertador de Jesus entrou em choque – como era inevitável – com a atmosfera de egoísmo, de má vontade, de opressão que dominava o mundo. As autoridades políticas e religiosas sentiram-se incomodadas com a denúncia de Jesus: não estavam dispostas a renunciar a esses mecanismos que lhes asseguravam poder, influência, domínio, privilégios; não estavam dispostas a arriscar, a desinstalar-se e a aceitar a conversão proposta por Jesus. Por isso, prenderam Jesus, julgaram-n’O, condenaram-n’O e pregaram-n’O numa cruz.

A morte de Jesus é a consequência lógica do anúncio do “Reino”: resultou das tensões e resistências que a proposta do “Reino” provocou entre os que dominavam o mundo.

Podemos, também, dizer que a morte de Jesus é o culminar da sua vida; é a afirmação última, porém, mais radical e mais verdadeira (porque marcada com sangue), daquilo que Jesus pregou com palavras e com gestos: o amor, o dom total, o serviço.

Na cruz, vemos aparecer o Homem Novo, o protótipo do homem que ama radicalmente e que faz da sua vida um dom para todos. Porque ama, este Homem Novo vai assumir como missão a luta contra o pecado – isto é, contra todas as causas objectivas que geram medo, injustiça, sofrimento, exploração e morte. Assim, a cruz mantém o dinamismo de um mundo novo – o dinamismo do “Reino”.

Para além da reflexão geral sobre o sentido da paixão e morte de Jesus, convém ainda notar alguns dados que são exclusivos da versão mateana da paixão.


• Ao longo do relato da paixão, Mateus insiste no facto de os acontecimentos estarem relacionados com o cumprimento das Escrituras (cf. Mt 26,24.30.54.56;27,9). Mesmo quando não refere explicitamente o cumprimento das Escrituras, Mateus liga os acontecimentos da paixão de Jesus com figuras e factos do Antigo Testamento, a fim de demonstrar que a paixão e morte de Jesus faz parte do projeto de Deus, previsto desde sempre. A explicação para esta insistência no cumprimento das Escrituras deve ser buscada no seguinte facto: Mateus escreve para cristãos que vêm do judaísmo; Ele vai, portanto, fazer referência a citações e promessas do Antigo Testamento – conhecidas de cor por todos os judeus – a fim de demonstrar que Jesus era esse Messias anunciado pelos profetas e cujo destino passava pelo dom da vida.


• Também Marcos (cf. Mc 14,47) e Lucas (cf. Lc 22,50-51) contam como, no Getsemani, na altura em que Jesus foi preso, um dos elementos do grupo de Jesus agrediu com uma espada um servo do sumo-sacerdote. No entanto, só Mateus apresenta Jesus a condenar explicitamente o gesto, explicando que o projeto do Pai não passa pela violência, mesmo contra os agressores (cf. Mt 26,51-54). O caminho do Pai passa pelo amor e pelo dom da vida; por isso, os discípulos de Jesus não podem recorrer à violência, mesmo que se trate de defender uma causa justa. Este ensinamento tem, neste contexto, uma força especial: é quando Jesus é vítima inocente da violência que Ele afirma de forma clara a recusa absoluta da violência: o “Reino” de Deus nunca passará por esquemas de violência, de imposição, de poder e de prepotência. Na lógica do “Reino”, os fins nunca justificarão os meios.


• Só no Evangelho segundo Mateus aparece o relato da morte de Judas (cf. Mt 27,3-10. Temos uma outra versão do acontecimento em Act 1,18-19). O episódio deixa clara a iniquidade do processo e a inocência de Jesus. A forma como Mateus sublinha o desespero e o arrependimento de Judas deixa clara a inocência de Jesus, por um lado e, por outro, o desnorte dos responsáveis pelo processo, empenhados em “sacudir a água do capote” e em declinar responsabilidades.


• São exclusivos de Mateus o sonho da mulher de Pilatos (cf. Mt 27,19) e a lavagem das mãos por parte do procurador romano (cf. Mt 27,24). Estes pormenores aparecem aqui com uma dupla finalidade: por um lado, Mateus quer deixar claro que Jesus é inocente e que os próprios romanos reconhecem o facto; por outro, Mateus sugere que não foi o império romano, mas sim o próprio judaísmo que rejeitou Jesus e a sua proposta de “Reino”. Os pagãos reconhecem a inocência de Jesus; mas o seu próprio Povo rejeita-O. A frase que, no contexto do julgamento de Jesus, Mateus atribui ao Povo (“o seu sangue caia sobre nós e sobre os nossos filhos” – Mt 27,25) deve também ser entendida neste enquadramento. Mateus explica dessa forma – aos cristãos que vêm do judaísmo – porque é que o judaísmo como conjunto está fora do “Reino”: o judaísmo rejeitou Jesus e quis eliminar a sua proposta.


• Também é exclusiva de Mateus a descrição dos factos que acompanharam a morte de Jesus: “o véu do Templo rasgou-se em duas partes, de alto a baixo; a terra tremeu e as rochas fenderam-se. Abriram-se os túmulos e muitos dos corpos de santos que tinham morrido ressuscitaram; e, saindo do sepulcro, depois da ressurreição de Jesus, entraram na cidade e apareceram a muitos” (Mt 27,51-53). Através destes elementos, Mateus quer sublinhar a importância do momento. É o tipo de sinais que, segundo a tradição apocalíptica, precederiam a manifestação de Deus, no final dos tempos. Estes sinais mostram que, apesar do aparente fracasso de Jesus, Deus está ali, a manifestar-Se como o salvador e libertador do seu Povo.


• Finalmente, só Mateus narra o episódio da “guarda” do sepulcro (cf. Mt 27,62-66). Provavelmente, o relato de Mateus tem uma finalidade apologética… Para os cristãos, o sepulcro vazio era a evidência de que Jesus tinha ressuscitado; mas alguns grupos judeus puseram a circular o rumor de que o corpo de Jesus tinha sido roubado pelos discípulos. Mateus trata de explicar a origem do rumor e de negá-lo veementemente.


Ideia de roteiro para teatro

Personagem A (cantando): Rosana hey! Rosana Há! Rosana Hey! Rosana Hey! Rosana Há! 

Personagem B: Quem é Rosana? 


Personagem A: Deve ser uma pessoa muito importante, pois na procissão a gente canta assim! 


Catequista: Oi crianças tudo bem? 


Personagem A e B: Sim catequista! 


Personagem B: Catequista, quem é Rosana? 


Catequista: Quem? 


Personagem B: Rosana, da música da procissão! 


Personagem A (cantando): Rosana hey! Rosana Há! Rosana Hey! Rosana Hey! Rosana Há! 


Catequista: Ah! Não é Rosana! É Hosana! É um canto, um hino de louvor à Deus! 


Personagem A: Ai meu Deus... e eu achando que era uma pessoa importante!! Estou muito animada para participar da procissão! Eu gosto muito de andar pelas ruas balançando aquelas folhas... Como é mesmo o nome catequista? 

Catequista: São os Ramos! 


Personagem B: Ah! Eu não! Não queria participar não! 

Catequista: E por que não? É uma data tão linda! É o início da semana maior da nossa fé!

Personagem A: Semana maior da nossa Fé?

Catequista: Isso mesmo! É quando celebramos o a crucificação, morte e ressurreição de Jesus. 

Personagem B: Eu sei que é bonito, mas eu não gosto! Aquelas pessoas não foram boas com Jesus! Mentiram pra ele! 


Catequista: Mentiram? Por quê? 


Personagem B: Porque fingiram gostar dele, cantaram músicas pra ele, disseram muitas coisas bonitas e depois entregaram ele pra morte! 


Personagem A: Nossa! Não tinha pensado nisso! 


Catequista: Prestem atenção crianças! As pessoas daquela época ouviam falar sobre as curas e milagres que Jesus realizava no meio do povo. E todos ficaram muito contentes, pois era um povo que sofria muito e queriam ter esperança de que as coisas seriam melhores. 


Personagem B: Mas se queriam que tudo melhorasse por que mataram Jesus depois? 


Personagem A: Ué! É como a catequista já explicou. Tinha que se cumprir o plano de salvação de Deus para nós! 

Catequista: Exatamente! E também para que se cumprisse o que diziam na palavra, onde falava que O rei viria montado em jumentinho. As pessoas esperavam pelo Messias, o enviado de Deus para libertá-las. 


Personagem A: O mais importante é proclamar que Jesus é o nosso Rei e reconhecer tudo o que Ele fez por nós! 


Catequista: Eu sei que é muito difícil entender. Jesus sofreu muito e foi condenado à morte de cruz para nossa salvação. Ele aceitou morrer para nos libertar de nossos pecados! Foi por amor à cada um de nós. E depois Jesus venceu a morte e ressuscitou, venceu a morte e nos deu esperança de uma nova vida nova!

Personagem B: Tudo bem então! Vou me animar! E dizer junto com todos: Bendito o que vem em nome do Senhor! 


Catequista: Isso mesmo! Somos o povo que espera o salvador e libertador que é Jesus! Vamos crianças, com muita alegria aclamar Jesus nosso rei e Salvador! E assim como os discípulos que foram buscar o jumentinho, sempre obedecer o que Jesus nos pede! 


Personagem A: Uau! Podemos dizer que também somos discípulos de Jesus catequista? 


Catequista: Claro que sim! Todos nós somos chamados à ser discípulos e caminhar com Jesus! Precisamos pedir que o Espírito Santo nos ajude a ficar grudadinhos em Jesus em todos os momentos. Ficar ao lado Dele quando, sentado em um jumentinho, entrou em Jerusalém, quando carregou, até o calvário, uma cruz pesada por cada um de nós e quando ressuscitou e nos garantiu o Paraíso! Amém!

Sugestão de Música

Hosana-Hei


Porque Me Amou Tanto Assim?

Ideia para trabalhar esse Evangelho
Este é um domingo muito importante em que precisamos preparar às crianças para tudo que ela irão viver nesta Semana Santa. 

A sugestão é viver com as crianças todos os momentos importantes que marcam a semana mais importante para nós!

# Domingo de Ramos
Resultado de imagem para DESENHO DOMINGO DE RAMOS PARA PINTARMaterial para a dinâmica: Ramos, Palmeiras, galhos, fitas.
Vamos juntos preparar os ramos e palmas para aclamar nosso Rei Jesus?
Confeccionar com as crianças arranjos com os ramos e montar com elas um tapete por onde Jesus deverá passar.
O tapete pode ser montado com TNT, EVA e enfeitado com desenhos feitos ou coloridos pelas crianças que mostrem Jesus como nosso Rei.
Em seguida podemos caminhar por este tapete, levando à frente a imagem de Jesus.

Ou pode ser dado uma volta em torno da Igreja.

#Ultima ceia e Lava-Pés

Resultado de imagem para ultima ceia de jesus para colorirSe for possível, em uma outra sala, colocar uma cortina bem grande dividindo a sala em 2 ambientes. Entrando com as crianças, pergunte se elas querem participar da ceia, da janta que Jesus preparou para os discípulos.
Ao passar a cortina, do outro lado estará preparado a ceia com um Pão Italiano e Suco de Uva.
Resultado de imagem para Jesus Lava pés para colorir



Após todos comerem repetindo os gestos de Jesus, então começar a lavar os pés das crianças ensinando que foi isso que Jesus fez para nos mostrar que viemos para servir!









#Paixão do Senhor
Resultado de imagem para via sacra para crianças colorido

Resultado de imagem para via sacra para crianças colorido
Resultado de imagem para via sacra para crianças colorido



































Oração

Jesus, nosso amigo, salvador e nosso Rei, mantenha em meu coração a alegria de te receber como Rei e a certeza do seu amor infinito por nós!
Que nos possamos sempre te acolher com amor e festa em nossas casas e em nossas vidas!
Nos ensina a te amar e a ser gratos à ti todos os dias! Bendito o que vem em nome do Senhor! Hosana nas alturas.

 Amém!

Resultado de imagem para desenho ótima semana santa




A TURMINHA DO CANTINHO DOS ANJOS DESEJA A TODOS UMA ABENÇOADA SEMANA SANTA A TODOS!!

domingo, 19 de março de 2017

Evangelho de João 11,3-7.17.20-27.33b-45

Missa de 02 de Abril de 2017


           5º Domingo da Quaresma
            "Lázaro, vem para fora!"

Leituras
Primeira Leitura Ez 37,12-14
Salmo 129 / 130
Segunda Leitura Rm 8,8-11
Evangelho Jo 11,3-7.17.20-27.33b-45
Liturgia Diária


Mensagem Principal


Coloquemo-nos do lado da vida. A vida está onde Deus Pai, e Filho e Espírito Santo está. Se desejamos a vida plena e duradoura, coloquemo-nos do lado do Criador. Com o Criador podemos e devemos ser cuidadores, criadores e mantenedores, ajudando a salvaguardar o direito e a dignidade de vida das gerações futuras. Como Deus quer a vida, que as nossas ações contribuam para o advento deste mundo novo, que há de ser construído com o empenho renovado a cada dia, e que pode ser vislumbrado na bela imagem bíblica.

Fonte: Nova Aliança



Para ajudar a refletir e entender o evangelho de hoje:

Preparem-se... estamos preparando o alimento espiritual para os preferidos de Jesus: as crianças!

MENSAGEM


A família de Betânia apresenta algumas características dignas de nota…
Em primeiro lugar, o autor da narração não faz qualquer referência a outros membros, para além de Maria, Marta e Lázaro: não há pai, nem mãe, nem filhos. Além disso, João insiste no grau de parentesco que une os três: são “irmãos” (vers. 1.2b.3.5.19.21.23.28.32.39). A palavra “irmão” (“adelfós”) será a palavra usada por Jesus, após a ressurreição, para definir a comunidade dos discípulos (Jo 20,17); e este apelativo será comum entre os membros da comunidade cristã primitiva (Jo 21,23).
Por outro lado, notemos a forma como é descrita a relação entre Jesus e esta família de irmãos… Trata-se de uma família amiga de Jesus, que Jesus conhece e que conhece Jesus, que ama Jesus e que é amada por Jesus, que recebe Jesus em sua casa.
Um fato abala a vida desta família: um irmão (Lázaro) está gravemente doente. As “irmãs” mostram o seu interesse, preocupação e solidariedade para com o “irmão” doente e informam Jesus.
A relação de Jesus com Lázaro é de afeto e amizade; mas Jesus não vai imediatamente ao seu encontro; parece, até, atrasar-se deliberadamente (vers. 6). Com a sua passividade, Jesus deixa que a morte física do “amigo” se consume. Provavelmente, na intenção do nosso catequista, o pormenor significa que Jesus não veio para alterar o ciclo normal da vida física do homem, libertando-o da morte biológica; veio, sim, para dar um novo sentido à morte física e para oferecer ao homem a vida eterna.
Depois de dois dias, Jesus resolve dirigir-se à Judeia ao encontro do “amigo”. No entanto, a oposição a Jesus está, precisamente, na Judeia e, de forma especial, em Jerusalém. Os discípulos tentam dissuadí-lo: eles não entenderam, ainda, que o plano do Pai é que Jesus dê vida ao homem enfermo, mesmo que para isso corra riscos e tenha de oferecer a sua própria vida. Jesus não dá atenção ao medo dos discípulos: a sua preocupação única é realizar o plano do Pai no sentido de dar vida ao homem. Jesus não pode abandonar o “amigo”: Ele é o pastor que desafia o perigo por amor dos seus.
Ao chegar a Betânia, Jesus encontrou o “amigo” sepultado há já quatro dias. De acordo com a mentalidade judaica, a morte era considerada definitiva a partir do terceiro dia. Quando Jesus chega, Lázaro está, pois, verdadeiramente morto. Jesus não elimina a morte física; mas, para quem é “amigo” de Jesus, a morte física não é mais do que um sono, do qual se acorda para descobrir a vida definitiva.
Por esta altura, entram em cena as “irmãs” de Lázaro. Marta é a primeira. Vem ao encontro de Jesus e insinua a sua reprovação: Jesus podia ter evitado a morte do amigo, se tivesse estado presente, pois onde Ele está reina a vida. No entanto, mesmo agora, Jesus poderá interceder junto de Deus, Deus atendê-lo-á e devolverá a vida física a Lázaro. Marta acredita em Deus; acredita que Jesus é um profeta, através de quem Deus atua no mundo; mas ainda não tem consciência de que Jesus é a vida do Pai e que Ele próprio dá a vida.
Jesus inicia a sua catequese dizendo-lhe: “teu irmão ressuscitará”. Marta pensa que as palavras de Jesus são uma consolação banal e que Ele se refere à crença farisaica, segundo a qual os mortos haveriam de reviver, no final dos tempos, quando se registasse a última intervenção de Deus na história humana. Isso ela já sabe; mas não chega: esse último dia ainda está tão longe…
Jesus, no entanto, não fala da ressurreição no final dos tempos. O que Ele diz é que, para quem é amigo de Jesus, não há morte, sequer. Jesus é “a ressurreição e a vida”. Para os seus amigos, a morte física é apenas a passagem desta vida para a vida plena. Jesus não evita a morte física; mas Ele oferece ao homem essa vida que se prolonga para sempre. Para que essa vida definitiva possa chegar ao homem é necessário, no entanto, que o homem se junte a Jesus e O siga, num caminho de amor e de dom da vida (“todo aquele que vive e acredita em mim, nunca morrerá”). A comunidade de Jesus (a comunidade dos que aderiram a Ele e ao seu projeto) é a comunidade daqueles que já possuem a vida definitiva. Eles passarão pela morte física; mas essa morte será apenas uma passagem para a verdadeira vida. E é essa vida verdadeira que Jesus quer oferecer. Confrontada com esta catequese (“acreditas nisto?”), Marta manifesta a sua adesão ao que Jesus diz e professa a sua fé no Senhor que dá a vida (“acredito, Senhor, que Tu és o Messias, o Filho de Deus que havia de vir ao mundo”).
Maria, a outra irmã, tinha ficado em casa. Está imobilizada, paralisada pela dor sem esperança. Marta – que falara com Jesus e encontrara n’Ele a resposta para a situação que a fazia sofrer – convida a irmã a sair da sua dor e a ir, por sua vez, ao encontro de Jesus. Maria vai rapidamente, sem dar explicações a ninguém: ela tem consciência de que só em Jesus encontrará uma solução para o sofrimento que lhe enche o coração. Também nas palavras de Maria há uma reprovação a Jesus pelo fato de Ele não ter estado presente, impedindo a morte física de Lázaro. Jesus não pronuncia qualquer palavra de consolo, nem exorta à resignação (como é costume fazer nestes casos): vai fazer melhor do que isso e vai mostrar que Ele é, efetivamente, a ressurreição e a vida.
A cena da ressurreição de Lázaro começa com Jesus a chorar (vers. 35). Não é pranto ruidoso, mas sereno… Jesus mostra, dessa forma, o seu afeto por Lázaro, a sua saudade do amigo ausente. Ele – como nós – sente a dor, diante da morte física de uma pessoa amada; mas a sua dor não é desespero.
Jesus chega junto do sepulcro de Lázaro. A entrada da gruta onde Lázaro está sepultado está fechada com uma pedra (como era costume, entre os judeus). A pedra é, aqui, símbolo da definitividade da morte. Separa o mundo dos vivos do mundo dos mortos, cortando qualquer relação entre um e outro.
Jesus, no entanto, manda tirar essa “pedra”: para os crentes, não se trata de duas realidades sem qualquer relação. Jesus, ao oferecer a vida plena, abate as barreiras criadas pela morte física. A morte física não afasta o homem da vida.
A ação de dar vida a Lázaro representa a concretização da missão que o Pai confiou a Jesus: dar vida plena e definitiva ao homem. É por isso que Jesus, antes de mandar Lázaro sair do sepulcro, ergue os olhos ao céu e dá graças ao Pai (vers. 41b-42): a sua oração demonstra a sua comunhão com o Pai e a sua obediência na concretização do plano do Pai. Depois, Jesus mostra Lázaro vivo na morte, provando à comunidade dos crentes que a morte física não interrompe a vida plena do discípulo que ama Jesus e O segue.
A família de Betânia representa a comunidade cristã, formada por irmãos e irmãs. Todos eles conhecem Jesus, são amigos de Jesus, acolhem Jesus na sua casa e na sua vida. Essa família também faz a experiência da morte física. Como é que deve lidar com ela? Com o desespero de quem acha que tudo acabou? Com a tristeza de quem acha que a morte venceu, por algum tempo, até que Deus ressuscite o “irmão” morto, no final dos tempos (perspetiva dos fariseus da época de Jesus)?
Não. Ser amigo de Jesus é saber que Ele é a ressurreição e a vida e que dá aos seus a vida plena, em todos os momentos. Ele não evita a morte física; mas a morte física é, para os que aderiram a Jesus, apenas a passagem (imediata) para a vida verdadeira e definitiva. Para os “amigos” de Jesus – para aqueles que acolhem a sua proposta e fazem da sua vida uma entrega a Deus e um dom aos irmãos – não há morte… Podemos chorar a saudade pela partida de um irmão, mas temos de saber que, ao deixar este mundo, ele encontrou a vida plena, na glória de Deus.





Ideia de roteiro para teatro

Catequista: Oi crianças, tudo bem?


Personagem A e B: Oi catequista! Sim, tá tudo bem!

Catequista: Que bom encontrá-las, pois estava mesmo pensando no que faremos na próxima aula da catequese!

Personagem A: E o que faremos?

Personagem B: É algo divertido?

Catequista: Sim, é algo muito legal! Vamos encenar o evangelho de hoje, pois ele nos ensina uma importante lição!

Personagem A: Mas catequista, se eu prestei bem atenção o evangelho conta que Lázaro, o amigo de Jesus, estava muito doente...

Personagem B: E fala também que Jesus foi chamado para ajudar esse amigo, mas que Jesus não foi...

Catequista: Sim, mas como o evangelho de hoje é longo, talvez vocês não tenham prestado atenção em toda a história...

Personagem A: É verdade, eu confesso... não prestei tanta atenção assim!

Personagem B: De qualquer forma acho uma história triste pra encenarmos, pois o amigo de Jesus morreu!

Catequista: Calma crianças, amanhã na catequese nós vamos conversar melhor com toda a turma, distribuir os personagens e ver como faremos!

Personagem A: Mas catequista, eu não quero ser o Lázaro não! Não quero encenar que tô doente e depois morrer...

Personagem B: Eu também não quero ser Lázaro! Poxa, sou uma criança tão bonita pra ficar todos escondido como uma múmia... Eu quero ser visto!!!

Personagem A: E também não quero ser Marta ou Maria, pois elas devem ter sofrido muito com a morte do irmão...

Personagem B: Eu também não quero... já pensou perder um irmãozinho... muito triste!

Personagem A: Eu quero ser Jesus! Ele tava fazendo outras coisas e só depois quando desocupou é que foi até Lázaro!

Personagem B: Eu que quero! Afinal Jesus curou!

Personagem A: Nem vem, eu falei primeiro!

Personagem B: Deixa, eu falei segundo... e eu quero bem mais!

Catequista: Crianças, por favor parem!

Personagem A: Então a senhora escolhe quem será Jesus, eu ou ele?

Personagem B: Isso, a senhora escolhe!

Catequista: Antes de qualquer escolha, vocês precisam entender que mais importante que o papel que cada um terá na encenação é a lição que Deus nos ensina com essa história!

Personagem A e B: É verdade, tá certo!

Catequista: Vejam bem, Lázaro estava doente e sua irmã chamou Jesus pedindo que Ele o curasse! Mas Jesus, mesmo triste pelo amigo doente, não foi imediatamente socorrê-lo!

Personagem A: Mas por que Jesus não correu se eles eram amigos?

Catequista: Porque Deus tinha um plano, e não era a hora de Jesus agir, mesmo sabendo do sofrimento de seus amigos e esperou a hora certa!

Personagem B: Mas Jesus demorou e Lázaro morreu!

Catequista: Sim, inclusive uma das irmãs de Lázaro ficou triste com Jesus, mas a outra se manteve forte e confiou em Jesus e clamou por um milagre!

Personagem A: Nossa, mas Lázaro já estava morto havia dias...

Catequista: Verdade! E, sabe, com certeza Jesus sofreu muito por seu amigo estar doente, mas Ele estava cuidando de outras pessoas, e mesmo sabendo que já podia ser tarde, foi até onde Lázaro estava, consolou Marta e Maria e clamou a Deus por um milagre! E o milagre aconteceu!!!

Personagem B: Uau! Jesus é demais!!!

Catequista: Exatamente, Jesus é demais! Ele nunca nos abandona! E é esta lição que devemos levar no coração, a de jamais desistir, mesmo nas situações mais difíceis devemos nos manter confiantes em Deus, buscar fazer o bem, buscar o consolo das pessoas, acreditando que para Deus é possível mudar qualquer situação, e que a força que precisamos vem dEle.

Personagem A: Que lindo Catequista!!! Não quero desistir nunca!!

Personagem B: Nem eu!!! Quero ficar firme no caminho de Jesus!

Catequista: Outra coisa crianças, observem um detalhe muito muito importante! Não foi Jesus que retirou a pedra de onde Lázaro estava sepultado... Ele pediu que outros tirassem! E sabem o por quê?

Personagens A e B: Não! Por que, por quê???

Catequista: Pra nos dizer que aquilo que é possível, como retirar a pedra por exemplo, nós precisamos fazer! Mas aquilo que é impossível devemos entregar nas mão de Deus!!!!

Personagem A: É mesmo uma bela lição!

Catequista: Sim! Lázaro ter ressuscitado foi um verdadeiro milagre! Mas o que temos que entender com esse milagre é que o importante é colocarmos o nosso coração, as nossas necessidades no coração de Jesus e Ele irá nos atender, dará o seu melhor sempre, pois diante das coisas mais difíceis Ele se coloca a nosso serviço, mesmo que não seja no momento que queremos e esperamos!

Personagem B: Nossa catequista, sabe que eu peço as coisas pra Jesus e quero ser atendido no mesmo instante... mas daí não acontece nada e penso que Ele estava ocupado pra me ouvir e desisto!

Catequista: Pois é! Na vida muitas vezes somos assim... diante de coisas tão menores desanimamos, não nos colocamos a serviço e desistimos! Temos uma fé pequena e não cremos nas coisas que Jesus é capaz de fazer por nós! 
E mais, Jesus nos mostrar que não se trata de ressuscitar nosso corpo físico, mas que quem segue Jesus, quem confia Nele jamais morrerá, pois Ele nos prometeu a vida eterna!

Personagem A: Quer saber?! Quero ser Marta que confiou que Jesus podia mudar aquela situação tão difícil!

Personagem B: Eu posso ser qualquer personagem! A senhora escolhe catequista!

Catequista: Parabéns meninos! Isso mesmo, estamos aqui para servir, para nos doar, fazer o bem seja como for, confiando sempre que Jesus está conosco e nunca nos abandonará! Vamos pedir que o Espirito Santo alimente nosso coração de força para tirar todas as pedras e coragem para sempre sermos confiantes de que Deus realiza o melhor sempre em nossas vidas!! Amém.

Sugestão de Música




Ideia para trabalhar esse Evangelho

Material para a dinâmica: Vendas e guloseimas

Para esse evangelho podemos trabalhar a confiança em Deus! Trabalhar a ideia de que aquilo que não está sob nosso controle deve ser entregue nas mãos de Deus e devemos confiar... confiar cegamente!


Então, a ideia é vendar as crianças, explicando que muitas vezes não enxergamos saída para nossos problemas e dilemas; muitas vezes, após já termos feito tudo que estava ao nosso alcance não encontramos uma solução para resolver aquilo que nos preocupa!

E que devemos fazer quando já não há saída, quando já não há solução??? Desanimar? Desistir? Ou confiar? Acreditar? Ter fé e entregar tudo nas mãos de Deus???

Após essa reflexão pergunte para as crianças: Vocês confiam em Deus? Confiam cegamente? Então se confiam, abram a boca!!!

E então, mesmo que desconfiadas ou temerosas, as crianças abrindo a boca recebem a grata surpresa de ganharem uma guloseima em suas boquinhas!!!

Conclui-se a dinâmica refletindo sobre o quão maravilhoso Deus é conosco! Que quando confiamos e nos entregamos Ele sempre nos surpreende e nos dá muito mais do que precisamos! Basta fazermos a nossa parte!

Oração

Espírito Santo, me ajuda a crer e confiar em Jesus do fundo do meu coração! 

Que eu não viva para as coisas do mundo e nem tenha uma fé apenas da boca pra fora, mas que eu viva para as coisas do céu e viva minha fé de corpo e alma. Assim, abraçando uma vida nova estarei cada vez mais juntinho de Deus!!!


Amém!