Quem somos?

Minha foto
Somos um Ministério de Evangelização de Crianças da Diocese de São José dos Campos desde 1999. Utilizamos como recurso de evangelização o teatro. Também organizamos formações para evangelizadores e catequistas. Estamos sempre a disposição! Precisando é só mandar um mail para cantinhodanjos@gmail.com Vamos levar nossas crianças para Jesus!!

terça-feira, 23 de outubro de 2018

Evangelho de Mateus 5,1-12a

Missa de 04  de Novembro de 2018


SOLENIDADE DE TODOS OS SANTOS

Leituras
Primeira Leitura Ap 7,2-4.9-14
Salmo 23/24
Segunda Leitura 1Jo 3,1-3
Evangelho Mt 5,1-12a
Folheto Povo de Deus

Mensagem Principal
Hoje a Igreja volta seu olhar e seu coração para o céu e enche-se de alegria ao contem- plar a multidão daqueles que já participam da glória e da plenitu- de do Deus Santo. Nossa atenção se volta para o incontável núme- ro daqueles para quem o Senhor Deus manifestou sua misericórdia. Nesta Eucaristia, elevemos o nosso hino de adoração ao Senhor, cuja santidade reluz nos seus santos e santas. Folheto Povo de Deus


Para ajudar a refletir e entender o evangelho de hoje:

Preparem-se... estamos preparando o alimento espiritual para os preferidos de Jesus: as crianças!

MENSAGEM

Na celebração de Todos os Santos contemplamos a Igreja do céu, a “Jerusalém celeste”, a “cidade de Deus” dos redimidos e salvos, na casa do Pai. De fato, olhamos para o nosso futuro: para lá se encaminha também a nossa vida. Chegar lá, é o grande objetivo final de nossa existência. São Paulo diz que, neste mundo, somos todos peregrinos e não temos aqui cidade permanente, mas estamos a caminho da que há de vir (cf Hb 13,14). Jesus mesmo também prometeu aos discípulos que iria para junto do Pai para preparar um lugar para eles. E queria que todos estivessem junto dele para sempre (cf Jo 14,2-4). O céu é esse “lugar” e a companhia e plena comunhão com Ele é a felicidade completa. Os Santos no céu já chegaram lá, no final do caminho, e alcançaram a meta da existência. Estão felizes e adoram e bendizem a Deus. A 1ª. leitura de hoje, do Apocalipse (Ap 7,2-4.9-14), nos apresenta uma visão do céu, onde uma multidão imensa de redimidos proclama em uníssono “o louvor, a glória, a sabedoria, a ação de graças, a honra, o poder, a força” de Deus. Graças a Deus, é uma multidão tão numerosa, que “ninguém consegue contar”. O Papa Francisco nos recordou, no início deste ano, que a santi- dade é a vocação de todos nós (ver Exortação Apostólica Gau- dete et Exsultate). E a principal missão da Igreja é ajudar a hu- manidade a alcançar esse grande objetivo da existência humana. O Papa destaca que isso não é re- servado para alguns poucos, ou para “pessoas muito especiais”. Talvez pensamos logo que é “san- to” quem faz milagre ou consegue fazer coisas que ninguém faz. Não é assim. Santos são todos os que estão com Deus. E isso é possível a todos. Santos e santas são as pessoas que vivem a comunhão com Deus e procuram viver a sua dignidade de filhos e filhas de Deus; são as pessoas que “ouvem a palavra de Deus e a colocam em prática cada dia” (Lc 11,38), como fez Nossa Senhora. A santidade é o chama- do que Deus faz para todos: “sede santos porque eu, vosso Deus, sou santo” (Lv 11,45). E o Papa recomenda que o ca- minho para viver a santidade e alcançar a felicidade do céu é viver as Bem-aventuranças do Evangelho. Jesus e Maria foram os primeiros que viveram esse ca- minho e nos deram o exemplo. A santidade não está fora do nosso alcance. Cardeal Odilo P. Scherer Arcebispo de São Paulo - Folheto Povo de Deus

Ideia de roteiro para teatro

Personagem A: Eu gosto tanto deste evangelho!

Personagem B: Por que?

Personagem A: Por que eu sou assim!

Personagem B: Assim como?

Personagem A: Bem aventurado, ué!

Personagem B: Sei, entendi... e porque você acha isso de você mesmom!

Personagem A: Ah vários motivos! Mas principalmente porque sou perseguido!

Personagem B: Perseguido?

Personagem A: Sim, tipo alguns santos sabe, eles também foram bem aventurado, porque sofreram por ser amigos de Jesus, foram perseguidos e alguns até morreram por isso... Principalmente os santos apostólos, São Pedro, São Paulo...

Personagem B: Entendi... e santo você também se acha santo?

Personagem A: Ah eu tento, mas ainda não consegui ser santo... só perseguido mesmo! As pessoas não compreendem...

Personagem B: Que pessoas?

Personagem  A: Mamãe, que vive dizendo que não ajudo em casa, a professora que não entende que não que eu não fiz a lição é que sou ocupado, meu irmão que não entende que o video-game é meu...e até você as vezes....

Personagem B: Eu?

Personagem A: Sim, porque você é muito bonzinho... todo bonzinho... acham você um santo, ai, ai...

Personagem  B: Não é nada disso... você que gosta de brigas!

Personagem A: Tá vendo, tá vendo... sou perseguido... "bem aventurado os perseguidos"! ai, ai...

....entra a catequista que ouvia os meninos de longe!

Personagem B: Tia, graças a Deus que tá ai!

Catequista: Oi meninos, entrei logo para não dar briga! Que confusão estão fazendo!

Personagem A: Olha tia, você as vezes me persegue também, querendo que eu faça a tarefa e apresente, eu tenho vergonha...

Personagem B: Devia ter vergonha de mentir que fez...

Personagem A: Lá vai o santo falar mal de mim...

Catequista: Meninos, sem brigar... Vocês estão muito errados nesta discussão de bem aventuranças e santos!

Personagem B: Eu sabia...

Personagem A: A sabia sim, todo santos é inteligente! hehehe

Catequista: Meninos, neste evangelho, Jesus nos dá o caminho da felicidade!

Personagem A: Caminho da felicidade?

Catequista: Sim, quando conta de cada bem aventurança, do quanto é bom ser manso, misericordioso, ter fome e sede de Justiça...

Personagem A: É eu não sou tudo isso...

Personagem B: É eu tenho muito para aprender também...

Catequista: Todos nós temos e por isso Jesus nos deu esta lição das bem aventuranças e também nos deu conhecer a vida dos santos...

Personagem B: Não sou santo... quero ser!

Catequista: todos nós devemos querer e tentar todo dia, alguns santos foram perseguidos de verdade, porque amavam Jesus... e sofreram muito!

Personagem A: É ninguém me persegue porque eu sou amigo de Jesus...

Catequista: Que bom né... graças a Deus!
Meninos, pensem nas bem aventuranças como a receitinha do bolo da felicidade e na vida dos santos como modelos de vida, busque conhece-los, cada um tem uma história bem legal, eles sim, foram bem aventurados!

Personagem A: Eu quero ser como eles!

Personagem B: Eu também... vou perguntar já para a vovó! Vamos!

Personagem A: Combinado, vamos lá!
Sugestão de Música

Jesus nos inspira à Santidade



Ideia para trabalhar esse Evangelho

Quais santos e santas vocês conhecem? Qual a história deles? Por que se tornaram tão amigos de Deus? Vamos conhece-los? 

Escolha alguns e apresente aos pequenos!

Oração
Jesus, meu amigo, que eu busque a santidade de todo coração e todos os dias mais e mais. Amém..

terça-feira, 16 de outubro de 2018

Evangelho de Marcos 10, 46 - 52


Imagem relacionada
Missa de 28 de Outubro de 2018

30º DOMINGO DO TEMPO COMUM

Leituras
Primeira Leitura Jer 31, 7-9
Salmo Salmo 125
Segunda Leitura Hb 5, 1-6
Evangelho Mc 10, 46-52
Liturgia Diária

Mensagem Principal

Queridos irmãos e irmãs. A liturgia deste domingo nos traz a narrativa do cego Bartimeu. Antes de qualquer coisa, o cego professa sua fé em Jesus, chamando-o de “Filho de Davi” e de “Mestre”. Essa narrativa nos dá importantes pistas sobre o agir cristão: Primeiro, é preciso ter fé, acreditar nas mudanças boas que Jesus pode realizar em nossa vida. Ademais, é preciso pedir e aceitar as graças que Ele pode oferecer e, por fim, é preciso disposição para seguir fiel à caminhada com o próprio Jesus. Na alegria de Cristo que nos dá a vista,

Para ajudar a refletir e entender o evangelho de hoje:

Preparem-se... estamos preparando o alimento espiritual para os preferidos de Jesus: as crianças!

A liturgia do 30° Domingo do Tempo Comum fala-nos da preocupação de Deus em que o homem alcance a vida verdadeira e aponta o caminho que é preciso seguir para atingir essa meta. De acordo com a Palavra de Deus que nos é proposta, o homem chega à vida plena, aderindo a Jesus e acolhendo a proposta de salvação que Ele nos veio apresentar.
A primeira leitura afirma que, mesmo nos momentos mais dramáticos da caminhada histórica de Israel, quando o Povo parecia privado definitivamente de luz e de liberdade, Deus estava lá, preocupando-se em libertar o seu Povo e em conduzi-lo pela mão, com amor de pai, ao encontro da liberdade e da vida plena.
A segunda leitura apresenta Jesus como o sumo-sacerdote que o Pai chamou e enviou ao mundo a fim de conduzir os homens à comunhão com Deus. Com esta apresentação, o autor deste texto sugere, antes de mais nada, o amor de Deus pelo seu Povo; e, em segundo lugar, pede aos crentes que “acreditem” em Jesus – isto é, que escutem atentamente as propostas que Ele veio fazer, que as acolham no coração e que as transformem em gestos concretos de vida.
No Evangelho, o catequista Marcos propõe-nos o caminho de Deus para libertar o homem das trevas e para o fazer nascer para a luz. Como Bartimeu, o cego, os crentes são convidados a acolher a proposta que Jesus lhes veio trazer, a deixar decididamente a vida velha e a seguir Jesus no caminho do amor e do dom da vida. Dessa forma, garante-nos Marcos, poderemos passar da escravidão à liberdade, da morte à vida.



Ideia de roteiro para teatro

PA entra falando alto: Oi PB! Tudo bem?

PB: Nossa PA porque você está falando tão alto.

PA falando alto novamente: É porque eu preciso..

PB interrompe: Fala baixo! Estou aqui do seu lado!

PA: Se eu não falar alto Jesus não vai me ouvir e eu tenho alguns pedidos para fazer pra ele.

PB: Mas não precisa falar alto, Jesus ouve nosso coração.

PA: Ai PA você não prestou atenção nenhuma no Evangelho né?

PB: Prestei sim e não tinha nada falando que tinha que gritar pra falar com Jesus.

PA: Tinha sim! O cego Bartimeu do evangelho não tinha muita certeza de onde Jesus estava e então começou a gritar bem alto pois só assim seria atendido por Jesus.

PB: Não PA! Não precisa mesmo gritar.

PA: Então por que o cego teve que gritar? Ah já sei! Como ele não enxergava, não sabia se Jesus estava vindo ou não e gritou gritou gritou!

PB: Não PA! Já disse que não era nada disso!

PA: PB, pensa só! Bartimeu ficava sentado pelo caminho, ele não tinha como saber se Jesus estava vindo ou não! Pelo jeito ele também não tinha muitos amigos, senão alguém poderia avisa-lo né?

Catequista: Olá crianças!

PB: Oi Catequista! Ainda bem que você chegou!

Catequista: Ah é? Por que?

PA: PB não está sabendo entender direito o Evangelho catequista!

PB: Eu? Você quem está dizendo que precisa gritar pra falar com Jesus senão Ele não atende!

Catequista: Como assim crianças?

PA: Simples! Bartimeu não sabia que Jesus estava vindo e nem de que lado ele estava vindo, afinal ele era cego! Então teve que gritar muito para Jesus ouvir e atende-lo. Aí eu entendi que preciso gritar muito. Não sou cego, mas como Jesus está lá no céu, bem no alto preciso gritar muito pra Ele me ouvir!

Catequista: Não crianças, essa não é a mensagem que o Evangelho quis nos passar hoje! Tinha realmente um cego pelo caminho e ele gritou bastante para chamar a atenção de Jesus. Mas não é por que ele achava que Jesus não poderia ouvi-lo, mas sim porque ele precisava que sua voz chegasse não só até Jesus, mas ultrapassasse toda a multidão que o seguia e ele percebeu que não queria ficar pelo caminho, mas também queria ser livre pra seguir Jesus.

PB: E mesmo com o barulho da multidão Jesus ouviu?

Catequista: Sim crianças! Jesus está atento à cada pessoa que recorre à Ele.

PA: Mesmo sem gritar?

Catequista: Sim PA! Mas uma outra coisa que podemos aprender com o Evangelho de hoje é a perseverança e a fé! Muita gente tentou fazer aquele cego se calar e não conseguiram, pois ele gritava cada vez mais alto pois sabia que quando Jesus o ouvisse sua vida seria mudada. Ele sabia que Jesus poderia curar não só sua cegueira mas também seu coração e ele queria uma vida nova!

PA: Nossa Catequista! Mas porque as pessoas não queriam que o cego chegasse até Jesus?

PB: O certo seria ajuda-lo a chegar ainda mais rápido até Jesus!

Catequista: Sim crianças! Mas muitas vezes nós também somos como as pessoas em volta de Jesus, em vez de ajudar aqueles que precisam ficar mais perto de Jesus, levamos Jesus para longe!

PA: Não quero afastar Jesus dessas pessoas que tanto precisam Dele.

PB: Nem eu!

Catequista: Isso mesmo crianças, devemos ficar atentos ao longo do caminho para sermos os que levam até Jesus cada um de nossos irmãos que precisam. Também podemos ajudar essas pessoas a deixar de lado a vida velha para depois de curados seguirem Jesus.

PB: Isso mesmo catequista! Jesus está sempre à nossa frente nos oferecendo uma nova vida. Podemos viver esse chamado de Jesus levando cada vez mais amigos para estar com Ele.

Catequista: Muito bem crianças. É isso mesmo! Precisamos mostrar o caminho e se for preciso levar essas pessoas até Jesus! E muitas vezes também nós precisaremos ser curados, então quanto mais perto de Jesus melhor pras nossas vidas!

PA: Pertinho é bom, assim não precisa nem gritar!



 Sugestão de Música



Ideia para trabalhar esse Evangelho

Colocar todas as crianças em roda e no centro dela uma criança vendada! Levar um boneco ou imagem de Jesus e prender terços na imagem de forma a fazer barulhos. Uma criança deverá andar pela sala com Jesus e a criança com a venda nos olhos representando o cego, deverá seguir em direção ao som dos tercinhos para encontrar Jesus! Quando encontrar esta criança que estava vendada passa a conduzir Jesus e uma nova criança assume o lugar do cego e coloca a venda nos olhos para recomeçar.


Oração
 Jesus filho de Davi, nos ensina a ser misericordiosos com nossos irmãos que mais precisam. Nos ajuda a ser sinal do seu reino de amor à todos que passarem por nossas vidas!

domingo, 7 de outubro de 2018

Evangelho de Marcos 10,35-45

Missa de 21 de Outubro de 2018


29º DOMINGO DO TEMPO COMUM DIA MUNDIAL DAS MISSÕES E DA OBRA PONTIFÍCIA DA INFÂNCIA MISSIONÁRIA DIA DA COLETA PARA AS MISSÕES


Resultado de imagem para Filho do Homem não veio para ser servido, mas para servir e dar a sua vida como resgate para muitos”

Primeira Leitura  (Is 53,10-11)  
Salmo  (Sl 32 (33)
Segunda Leitura  (Hb 4,14-16)
Evangelho  (Mc 10,35-45)
Liturgia Diária





Mensagem Principal

Para ajudar a refletir e entender o evangelho de hoje:

Preparem-se... estamos preparando o alimento espiritual para os preferidos de Jesus: as crianças!
Na primeira parte do nosso texto (vers. 35-40), apresenta-se a pretensão de Tiago e de João, os filhos de Zebedeu, no sentido de se sentarem, no Reino que vai ser instaurado, “um à direita e outro à esquerda” de Jesus. A questão nem sequer é apresentada como um pedido respeitoso; mas parece mais uma reivindicação de quem se sente com direito inquestionável a um privilégio. Certamente Tiago e João imaginam o Reino que Jesus veio propor de acordo com Dn 7,13-14 e querem assegurar nesse Reino poderoso e glorioso, desde logo, lugares de honra ao lado de Jesus. O facto mostra como Tiago e João, mesmo depois de toda a catequese que receberam durante o caminho para Jerusalém, ainda não entenderam nada da lógica do Reino e ainda continuam a reflectir e a sentir de acordo com a lógica do mundo. Para eles, o que é importante é a realização dos seus sonhos pessoais de autoridade, de poder e de grandeza.
Uma vez mais Jesus vê-se obrigado a esclarecer as coisas. Em primeiro lugar, Jesus avisa os discípulos de que, para se sentarem à mesa do Reino, devem estar dispostos a “beber o cálice” que Ele vai beber e a “receber o baptismo” que Ele vai receber. O “cálice” indica, no contexto bíblico, o destino de uma pessoa; ora, “beber o mesmo cálice” de Jesus significa partilhar esse destino de entrega e de dom da vida que Jesus vai cumprir. O “receber o mesmo baptismo” evoca a participação e imersão na paixão e morte de Jesus (cf. Rom 6,3-4; Col 2,12). Para fazer parte da comunidade do Reino é preciso, portanto, que os discípulos estejam dispostos a percorrer, com Jesus, o caminho do sofrimento, da entrega, do dom da vida até à morte. Apesar de Tiago e João manifestarem, com toda a sinceridade, a sua disponibilidade para percorrer o caminho do dom da vida, Jesus não lhes garante uma resposta positiva à sua pretensão… Jesus evita associar o cumprimento da missão e a recompensa, pois o discípulo não pode seguir determinado caminho ou embarcar em determinado projecto por cálculo ou por interesse; de acordo com a lógica do Reino, o discípulo é chamado a seguir Jesus com total gratuidade, sem esperar nada em troca, acolhendo sempre como graças não merecidas os dons de Deus.Na segunda parte do nosso texto (vers. 41-45), temos a reacção dos discípulos à pretensão dos dois irmãos e uma catequese de Jesus sobre o serviço.A reacção indignada dos outros discípulos ao pedido de Tiago e de João indica que todos eles tinham as mesmas pretensões. O pedido de Tiago e de João a Jesus aparece-lhes, portanto, como uma “jogada de antecipação” que ameaça as secretas ambições que todos eles guardavam no coração.Jesus aproveita a circunstância para reiterar o seu ensinamento e para reafirmar a lógica do Reino. Começa por recordar-lhes o modelo dos “governantes das nações” e dos grandes do mundo (vers. 42): eles afirmam a sua autoridade absoluta, dominam os povos pela força e submetem-nos, exigem honras, privilégios e títulos, promovem-se à custa da comunidade, exercem o poder de uma forma arbitrária… Ora, este esquema não pode servir de modelo para a comunidade do Reino. A comunidade do Reino assenta sobre a lei do amor e do serviço. Os seus membros devem sentir-se “servos” dos irmãos, apostados em servir com humildade e simplicidade, sem qualquer pretensão de mandar ou de dominar. Mesmo aqueles que são designados para presidir à comunidade devem exercer a sua autoridade num verdadeiro espírito de serviço, sentindo-se servos de todos. Excluindo do seu universo qualquer ambição de poder e de domínio, os membros da comunidade do Reino darão testemunho de um mundo novo, regido por novos valores; e ensinarão os homens que com eles se cruzarem nos caminhos da vida a serem verdadeiramente livres e felizes.Como modelo desta nova atitude, Jesus propõe-Se a Si próprio: Ele apresenta-Se como “o Filho do Homem que não veio para ser servido, mas para servir e dar a vida em resgate por todos” (vers. 45). De facto, toda a vida de Jesus pode ser entendida em chave de amor e serviço. Desde o primeiro instante da incarnação, até ao último momento da sua caminhada nesta terra, Ele pôs-se ao serviço do projecto do Pai e fez da sua vida um dom de amor aos homens. Ele nunca Se deixou seduzir por projectos pessoais de ambição, de poder, de domínio; mas apenas quis entregar toda a sua vida ao serviço dos homens, a fim de que os homens pudessem encontrar a vida plena e verdadeira.O fruto da entrega de Jesus é o “resgate” (“lytron”) da humanidade. A palavra aqui usada indica o “preço” pago para resgatar um escravo ou um prisioneiro. Atendendo ao contexto, devemos pensar que o resgate diz respeito à situação de escravidão e de opressão a que a humanidade está submetida. Ao dar a sua vida (até à última gota de sangue) para propor um mundo livre da ambição, do egoísmo, do poder que escraviza, Jesus pagou o “preço” da nossa libertação. Com Ele e por Ele nasce, portanto, uma comunidade de “servos”, que são testemunhas no mundo de uma ordem nova – a ordem do Reino.
www.dehonianos.org/portal



Ideia de roteiro para teatro

(Personagem A e B entram cada um trazendo uma cadeira e discutindo)
PA: Ai ai, eu quero muito ficar do lado esquerdo.
PB: E porque você quer tanto ficar do lado esquerdo?
PA: Ué PB o lado esquerdo é o lado do coração e quero muito ficar do ladinho do coração de Jesus.
PB: É verdade!
PA: Vou pedir para Jesus e com certeza ele me deixará ficar do lado esquerdo
PB: E porque você tem tanta certeza disso, porque acha que ele escolheria você?
PA: Muito simples, sou obediente, sou uma criança muito boazinha, porque ele não me escolheria?
PB: Ah se for assim, também posso ser escolhido por ele, também vou pedir para ele.
PA: Mas isso se você conseguir pedir antes de mim, neh!
(Catequista entra e percebe a discussão) 
C: Oi crianças, qual o motivo da discussão?
(Crianças continuam discutindo e não respondem a Catequista)
PB: Eu vou conseguir sim, assim que chegar em casa vou fazer uma oração e pedir pra Jesus para ficar do lado esquerdo
PA: Ta bom! A minha casa é mais perto que a sua, eu que vou pedir primeiro.
PB: Isso é o que nós vamos ver!
C: Crianças, crianças, estou aqui falando com vocês e nem me responderam por que estão ai discutindo, o que está acontecendo?
PB: Sabe o que é Catequista, ouvimos hoje no evangelho, que os discípulos Tiago e João pediram a Jesus para deixar eles se sentarem ao seu lado, um do lado direito e outro do lado esquerdo.
PA: Então pensamos! também queremos fica assim pertinho de Jesus, igual a Tiago e João.
PB: Mas acontece Catequista que o PA acha que só ele pode ficar do lado esquerdo de Jesus, que é o lado do coração. Mas disse para ele que também quero ficar pertinho de Jesus do lado esquerdo.
C: Crianças calma! Vocês não precisam brigar.
PA: Mas catequista eu tive a ideia primeiro, não é justo ele querer passar na minha frente assim.
C: Crianças se acalmem! Olhem só, vocês entenderam somente parte do evangelho. Realmente Tiago e João pediram isso a Jesus, mas vocês não entenderam a real intenção deles e nem qual foi a resposta de Jesus
PA: Ah Catequista a intenção deles era a mesma que a nossa, de ficar pertinho de Jesus!
C: Na verdade não foi essa intenção deles, na verdade eles queriam um lugar privilegiado ao lado de Jesus.
PA: Como assim lugar privilegiado? 
C: Eles queriam se sentir poderosos ao lado de Jesus queriam ser os primeiros.
PB: Nossa, mas então eles estavam se achando melhores que os outros discípulos neh?
C: Isso mesmo! Mas eles estavam confusos, ainda não tinham entendido totalmente os ensinamentos de Jesus e por não entenderem, acabaram se deixando seduzir pela vontade de ter poder.
PA: Nossa, que triste! 
C: É triste sim! Mas Jesus corrigiu Tiago e João e depois chamou todos os discípulos e falou "quem quiser ser grande, seja vosso servo, e quem quiser ser o primeiro, seja o escravo de todos. Porque o Filho do Homem não veio para ser servido, mas para servir e dar a sua vida como resgate para muitos”.
PB: Mas o que Jesus quis dizer com isso? 
C: Jesus quis dizer que somente estará com ele, ao seu lado, aqueles que verdadeiramente seguir o seu caminho, aqueles que seguem seus passos e seus ensinamentos. Não adianta querer ser o primeiro pensando em ter mérito, o que precisamos fazer e se colocar a disposição daqueles que precisam de ajuda, de amor e de carinho, precisamos pensar no próximo, ajudar a todos que precisam e fazer isso de coração, sem pensar em recompensa. 
PA: E o que Jesus quis dizer quando disse “O filho do Homem não veio para ser servido, mas para servir e dar a sua vida como resgate para muitos".
C: Jesus é o grande servo de Deus, é aquele que veio dar a sua vida para nos salvar, Jesus não veio para ser servido, veio para servir a Deus através da sua vida, se doando para nossa salvação. Então a exemplo de Jesus precisamos dar o melhor de nós para servir ao senhor, pois também não estamos aqui para ser servidos e sim para servir.
PB: Mas ainda não entendi! Como podemos servir? Como conseguimos seguir os passos de Jesus?
C: Precisamos entender que servir é a nossa missão aqui na terra, precisamos salvas pessoas, assim como Jesus, ajudar ao próximo, amar a todos, respeitar as pessoas, precisamos ser fiel a Deus, assim como Jesus fez!
PA: E como podemos fazer tudo isso? É muita coisa
C: Se tivermos o coração em Jesus não será muito, a partir do momento que acreditamos no amor de Deus, na missão que Jesus cumpriu para nos salvar, já teremos atitudes diferentes, vamos sentir vontade no coração de servir a Deus e fazer sua vontade, que é salvar pessoas. 
PA: Então nossa missão aqui no mundo é servir a Deus ajudando a quem precisa?
C: Isso mesmo PA! Essa missão de servir é de todos nós, sem esperar algo em troca, simplesmente servir como Jesus serviu, nos salvando e nos libertando do pecado.
Agora que entenderam, vamos fazer uma oração?
PA e PB: Vamos!



Sugestão de Música
Essa linda musica pode dar uma grande direção a nossos pequeninos como Servir, como fazer nosso melhor.
E ser feliz!
Peça para crianças fecharem os olhos e ouvir atentamente a musica, para que assim consigam ter atitudes para Servir como Jesus serviu.






Ideia para trabalhar esse Evangelho

Criar um Jogo da Memória para colorir e brincar
com desenhos de ações que podem nos ajudar a fazer nossa parte do Servir.





Oração
Senhor Jesus, me ajude a cumprir minha missão de Servir, que eu consiga seguir seus passos, seus ensinamentos e amor a todos como o senhor ama.
Amém

sexta-feira, 5 de outubro de 2018

Evangelho de Marcos 10, 17 - 30

Missa de 14 de Outubro de 2018


http://www.missacomcriancas.com.br/

28º DOMINGO DO TEMPO COMUM 

Leituras

Primeira Leitura Sb, 7,7-11
Salmo 89/90
Segunda Leitura Hb 4, 12-13
Evangelho Mc, 10, 17-30




Mensagem Principal

A liturgia de hoje nos convida a olharmos para nós mesmos a fim de reconhecermos os excessos que temos em nosso coração. É preciso optar por Jesus e pelo Reino que Ele veio anunciar. Esta opção é dura e exigente, porque nos faz olhar os irmãos com a caridade que brota de Deus. O Evangelho nos conta que Jesus mostrou a direção ao jovem que resolveu virar as costas e sair cabisbaixo. E nós, quantas vezes temos feito a vontade de Jesus e quantas outras temos deixado nossas vontades sobressaírem? Na alegria de Cristo que nos aponta os caminhos, cantemos.


Para ajudar a refletir e entender o evangelho de hoje:

Preparem-se... estamos preparando o alimento espiritual para os preferidos de Jesus: as crianças!

MENSAGEM

No Antigo Testamento, a ideia de vida eterna aparece, pela primeira vez, em Dn 12,2 e é retomada noutros textos tardios… Para alguns teólogos da época do judaísmo helenístico, os justos que se mantiverem fiéis a Deus e à Lei não serão condenados ao sheol (onde os espíritos dos mortos levam uma existência obscura, no reino das sombras), mas ressuscitarão para uma vida nova, de alegria e de felicidade sem fim, com Deus (cf. 2 Mac 7,9.14.36). A vida eterna de que falam os teólogos desta época parece já incluir a ideia de imortalidade (cf. Sab 3,4; 15,3). É provavelmente isto que inquieta o tal homem que se encontra com Jesus: o que é necessário fazer para ter acesso a essa vida imortal que Deus reserva aos justos?
A primeira resposta de Jesus não traz nada de novo e remete o homem para os mandamentos da Torah: “não mates; não cometas adultério; não roubes; não levantes falso testemunho; não cometas fraudes; honra pai e mãe” (vers. 19). De acordo com a catequese feita pelos mestres de Israel, quem vivesse de acordo com os mandamentos da Lei, receberia de Deus a vida eterna. O viver de acordo com as propostas de Deus é, também na perspectiva de Jesus, um primeiro patamar para chegar à vida eterna.
O homem explica, porém, que desde sempre a sua vida foi vivida em consonância com os mandamentos da Lei (vers. 20). É uma afirmação segura e serena, que o próprio Jesus não contesta. O homem não é um hipócrita, mas um crente religiosamente empenhado e sincero. Não há aqui, por parte deste homem, qualquer sinal de orgulho e de auto-suficiência; mas a sua atitude e as questões que ele põe mostram a sua inquietação, a sua procura, a sua busca da definição do verdadeiro caminho para a vida eterna. Jesus reconhece a sinceridade, a honestidade, a verdade da busca deste homem; por isso, olha para ele “com simpatia” (vers. 21) e resolve convidá-lo a subir a um outro patamar nesse caminho para a vida eterna: convida-o a integrar a comunidade do Reino.
Ora, esse novo patamar tem um outro grau de exigência… Jesus aponta três requisitos fundamentais que devem ser assumidos por quem quiser integrar a comunidade do Reino: não centrar a própria vida nos bens passageiros deste mundo, assumir a partilha e a solidariedade para com os irmãos mais pobres, seguir o próprio Jesus no seu caminho de amor e de entrega (vers. 21). Apesar de toda a sua boa vontade, o homem não está preparado para a exigência deste caminho e afasta-se triste. Marcos explica que ele estava demasiado preso às suas riquezas e não estava disposto a renunciar a elas (vers. 22). O homem de que se fala nesta cena é um piedoso observante da Lei; mas não tem coragem para renunciar às suas seguranças humanas, aos seus esquemas feitos, aos bens terrenos que lhe escravizam o coração. A sua incapacidade para assumir a lógica do dom, da partilha, do amor, da entrega, tornam-no inapto para o Reino. O Reino é incompatível com o egoísmo, com o fechamento em si próprio, com a lógica do “ter”, com a obsessão pelos bens deste mundo.
A história do homem rico que não está disposto a integrar a comunidade do Reino, pois não está preparado para viver no amor, na partilha, na entrega da própria vida aos irmãos, serve a Jesus para oferecer aos discípulos mais uma catequese sobre o Reino e as suas exigências. O “caminho do Reino” é um caminho de despojamento de si próprio, que tem de ser percorrido no dom da vida, na partilha com os irmãos, na entrega por amor. Ora, quem não é capaz de renunciar aos bens passageiros deste mundo – ao dinheiro, ao sucesso, ao prestígio, às honras, aos privilégios, a tudo isso que prende o homem e o impede de dar-se aos irmãos – não pode integrar a comunidade do Reino. Não se trata apenas de uma dificuldade, mas de uma verdadeira impossibilidade (“é mais fácil passar um camelo pelo fundo de uma agulha, do que um rico entrar no Reino de Deus” – vers. 25): os bens do mundo impõem ao homem uma lógica de egoísmo, de fechamento, de escravidão que são incompatíveis com a adesão plena ao Reino e aos seus valores. O discípulo que quer integrar a comunidade do Reino deve estar sempre numa atitude radical de partilha, de solidariedade, de doação.


Ideia de roteiro para teatro

Personagem A: (entra todo preocupado com uma malinha de roupa).

Personagem B: Entra com uma caixinha pedindo ajuda das pessoas.

Personagem A: O que você está fazendo, personagem B?

Personagem B: Afff... já vi que só eu vou entrar no reino do céu!

Personagem A: Como assim?

Personagem B: Como eu sou pobre, estou juntando riquezas para poder dar tudo aos pobres e poder seguir os caminhos do Senhor!

Personagem A: Você não entende nunca o evangelho direito né?! Olha o que eu estou fazendo... Já arrumei minha mala, vou deixar meu pai, minha mãe, minha irmã... ah só não sei uma coisa... pra onde vou?

Catequista: (entra e pergunta) Nossa crianças! O que vocês estão fazendo? 

Personagem B: Ai catequista, pra variar, eu a personagem B estamos tentando descobrir quem está mais certo sobre o evangelho de hoje... Eu estou juntando riquezas para doar aos pobres e poder seguir Jesus... 

Personagem A: Eu disse a ela que precisa juntar umas roupas e ir embora e deixar pra trás o pai, a mãe... (a catequista interrompe).

Catequista: Para, para, para... Vocês vão deixar as crianças confusas com a confusão que vocês acabaram fazendo. 

Personagem A: Então não é para largar o pai, a mãe em casa e ir embora (fala baixinho: “sem saber para onde”)?

Catequista: Não personagem A. Vocês são crianças e precisam do papai e da mamãe, que o próprio Deus escolheu para cuidar de vocês. Deixar o pai e mãe é uma forma de dizer que precisamos seguir nosso coração que já conhece Jesus, segue seus ensinamentos de amor. Muitas vezes, entre os adultos, as pessoas ficam ouvindo conselhos de pessoas que não conhecem Jesus e acabam dizendo coisas que nos afastam do caminho de vida eterna. Muitas vezes quem dá o conselho que não é legal, é uma pessoa que o adulto confia muito, como se fosse o pai ou a mãe. Então, deixar pai e mãe, para nós quer dizer seguir Aquele que mais nos ama... o próprio Jesus.

Personagem B: Ah, posso juntar riquezas para dar aos pobres então?

Catequista: Também não é bem isso que o evangelho diz. O que Jesus quer nos falar nesse evangelho é que muitas vezes nos afastamos de Deus por causa das coisas que fazemos com o dinheiro. Se o dinheiro está nos afastando de Deus, então devemos deixar de dar tanta importância ao dinheiro e dar mais importância nas coisas que só o amor pode nos dar.

Personagem A: Sabe catequista, minha mãe me contou que ela tem um tio que precisava deixar o dinheiro... esse tio só queria saber de ganhar mais e mais dinheiro. Ele queria uma casa, comprou, queria um carro comprou, mas depois ele não parava mais de querer ganhar mais dinheiro e com isso ele foi ficando longe da família dele. O primo da minha mãe falou pra ela que ele preferia viver numa casa muito mais simples e ter o pai dele junto com ele do que morar naquele casarão e nem ver o pai direito. Que triste não é.

Personagem B: Nossa Catequista, então trabalhar é uma coisa ruim?

Catequista: Não é isso personagem B. Trabalhar é preciso. È importante pois precisamos do dinheiro que vem do nosso trabalho para sobreviver.

Personagem A: Ah Catequista, acho que entendi. Trabalhar é importante, o que não pode é a pessoa só pensar em trabalhar e esquecer de outras coisas tão importantes como amar e ser amado.

Catequista: É crianças, isso que o evangelho quer nos ensinar. Precisamos estar atentos, pois precisamos amar mais a Deus do que qualquer coisa ou pessoa.

Personagem B: Já sei muita coisa que eu preciso deixar pra trás pra seguir no caminho de Jesus: A PREGUIÇA DE IR PRA CATEQUESE!

Catequista: Ah, personagem B, começou a entender a mensagem do evangelho!

Catequista: Que tal pedir ajuda ao nosso Amigão Espírito Santo para nos ajudar a fazermos as escolhas certas pra nossa vida?


Sugestão de Música



Ideia para trabalhar esse Evangelho

Conversar com as sobre o evangelho fazendo um paralelo entre entregar as riquezas aos pobres com o fato de que o dinheiro não pode ser mais importante do que Deus. E que deixar pai e mãe é estar sempre atentos às pessoas que querem nos dar conselhos e ideias que nos afastam de Deus. 

Para conduzir a dinâmica pode-se começar com as seguintes perguntas: 

- Muitas vezes temos dificuldade para seguir os ensinamentos de Jesus porque estamos apegados aos bens materiais. Nesse momento tem alguma coisa que pode estar afastando o seu coração do coração de Deus?

Que tal escrever ou desenhar o que está te atrapalhando seguir os passos de Jesus? 

Vamos colocar nessa caixinha tudo o que vocês escreveram ou desenharam e vamos fazer uma oração pedindo que Nossa Senhora nos ajude e sermos fortes diante dessas nossas fraquezas.

Pode-se entregar um cartão com a imagem abaixo. 

Catequese Infantil
http://sousagradosoufeliz.com/vidapastoral/catequese-infantil
Oração
Meu amigo Espírito Santo me ajude a seguir seus ensinamentos de amor para que meu coração esteja sempre pronto para amar e ajudar ao próximo. Conduza-me sempre pelo caminho que me leva à vida eterna. Amém.