Quem somos?

Minha foto
Somos um Ministério de Evangelização de Crianças da Diocese de São José dos Campos desde 1999. Utilizamos como recurso de evangelização o teatro. Também organizamos formações para evangelizadores e catequistas. Estamos sempre a disposição! Precisando é só mandar um mail para cantinhodanjos@gmail.com Vamos levar nossas crianças para Jesus!!

quarta-feira, 26 de setembro de 2018

Evangelho Marcos 10, 2-16

                                                           Missa 07 de outubro de 2018



27º DOMINGO DO TEMPO COMUM



Leituras

Primeira Leitura Gn 2, 18-24
Salmo 127, 1-2.3.4-5.6
Segunda Leitura Hb, 2, 9-11
Evangelho Mc 10, 2-16


Liturgia Diária








Mensagem Principal

Deus criou-nos por amor, capacitados para amar e ser amados, partilhar o melhor de nós, viver em comunhão, desfrutando da presença uns dos outros. Ninguém é feliz sozinho. O primeiro pecado da humanidade é o egoísmo (individualismo), o querer viver sem o outro, achar que se pode colocar para os outros como deus, soberano, independente, autossuficiente, sem precisar de prestar contas a outro que seja da mesma carne.


Para ajudar a refletir e entender o evangelho de hoje:

Preparem-se... estamos preparando o alimento espiritual para os preferidos de Jesus: as crianças!

As leituras do 27º Domingo do Tempo Comum apresentam, como tema principal, o projeto ideal de Deus para o homem e para a mulher: formar uma comunidade de amor, estável e indissolúvel, que os ajude mutuamente a realizarem-se e a serem felizes. Esse amor, feito doação e entrega, será para o mundo um reflexo do amor de Deus.
A primeira leitura diz-nos que Deus criou o homem e a mulher para se completarem, para se ajudarem, para se amarem. Unidos pelo amor, o homem e a mulher formarão “uma só carne”. Ser “uma só carne” implica viverem em comunhão total um com o outro, dando-se um ao outro, partilhando a vida um com o outro, unidos por um amor que é mais forte do que qualquer outro vínculo.
No Evangelho, Jesus, confrontado com a Lei judaica do divórcio, reafirma o projeto ideal de Deus para o homem e para a mulher: eles foram chamados a formar uma comunidade estável e indissolúvel de amor, de partilha e de doação. A separação não está prevista no projeto ideal de Deus, pois Deus não considera um amor que não seja total e duradouro. Só o amor eterno, expresso num compromisso indissolúvel, respeita o projeto primordial de Deus para o homem e para a mulher.
A segunda leitura lembra-nos a “qualidade” do amor de Deus pelos homens… Deus amou de tal forma os homens que enviou ao mundo o seu Filho único “em proveito de todos”. Jesus, o Filho, solidarizou-Se com os homens, partilhou a debilidade dos homens e, cumprindo o projeto do Pai, aceitou morrer na cruz para dizer aos homens que a vida verdadeira está no amor que se dá até às últimas consequências. Ligando o texto da Carta aos Hebreus com o tema principal da liturgia deste domingo, podemos dizer que o casal cristão deve testemunhar, com a sua doação sem limites e com a sua entrega total, o amor de Deus pela humanidade. (Fonte: Dehonianos.org)


Ideia de roteiro para teatro

Personagem A: Oi amigo! Tudo bem?

Personagem B: Oie!!! Estou bem! Mas me diga uma coisa... Quantas bexigas!!! Hoje é o seu aniversário?

Personagem A: Não!

Personagem B: Então é aniversário de alguém?

Personagem A: Deve ser aniversário de alguém... mas eu trouxe essas bexigas por outro motivo... Adivinha!

Personagem B: Nossa, difícil! Não sei!

Personagem A: Pelo visto você não prestou atenção no Evangelho de hoje!

Personagem B: Prestei sim! Mas no evangelho não fala nada de festa...

Personagem A: É, não fala de festa! Mas o que fala é motivo para festejarmos!

Personagem B: Eita, me explica então!

Personagem A: No Evangelho de hoje, Jesus fala assim: “Deixai vir a mim as crianças. Não as proibais, porque o Reino de Deus é dos que são como elas".

Personagem B: Eu sei!! Mas e a festa?

Personagem A: Presta atenção! Nós somos o que?

Personagem B: Somos pessoas!

Personagem A: Ai, ai, ai, tá difícil!! Somos pessoas... mas estou falando com relação a nossa idade... o que somos?

Personagem B: Ah, entendi! Somos crianças!!

Personagem A: Exatamente! Somos crianças!! Não é o máximo!! O reino de Deus é nosso!! E foi Jesus que nos deu!! Estou tão feliz!!

Personagem B: Verdade, não tinha pensado nisso!!

Personagem A: Percebi que você não pensou nisso!! Mas sabe o que é o mais legal?!

Personagem B: O que?

Personagem A: É que agora não precisamos nos preocupar com nada!! Não precisamos mais obedecer... nem fazer tarefa... nem arrumar o quarto...  não precisamos fazer mais nada!

Personagem B: Nossa, claro que não!!!

Personagem A: Como assim? Achei que você ia ficar feliz comigo!!

Personagem B: E tem uma coisa também, hoje nós somos crianças, mas vamos crescer e virar adultos!! E aí?!

Personagem A: Nossa, não tinha pensado nisso!! Então agora não entendi mais nada!!

Entra a Catequista:

Catequista: Olá crianças!!

Personagem A: Oi Catequista! Ainda bem que você está aqui!! Temos uma dúvida enorme e precisamos da sua ajuda para entendermos o evangelho de hoje!

Catequista: Claro crianças! Mas me digam... teremos uma festa hoje? Quantas bexigas!

Personagem B: É quase isso... É que o PA estava comemorando pois acha que o Reino de Deus está garantido para nós que somos crianças!

Personagem A: Foi o que eu entendi... então, se já está garantido, não preciso mais obedecer sempre, posso faltar na catequese... essas coisinhas!

Catequista: Olha só, achando que entraria no reino de Deus sem esforço, só porque é criança!!

Personagem B: Pois é?! Mas chegará o dia em que não seremos mais crianças.

Catequista: Prestem bastante atenção! Jesus diz que o reino de Deus será daqueles que têm o coração com o de uma criança.

Personagem B: E o que Ele vê no coração da criança para pedir que as pessoas se pareçam com uma?

Catequista: Então, Jesus vê que a criança é muito simples, sabe amar, confiar e perdoar! Jesus pede para que as pessoas tenham atitudes como as das crianças que se abrem para experimentar, sem esperar nada e permite que Deus realize sempre o novo na vida delas.

Personagem A: Realize o novo na vida? Como assim?

Catequista: Quando temos um coração apaixonado por Jesus, nós deixamos que Jesus os seus sonhos na nossa vida, sonhos para sermos felizes!

Personagem A: Isso é muito verdade!!

Personagem B: Agora eu entendi!!

Catequista: Então, para encontramos Deus precisamos ser simples e buscar o amor para amar! Assim como uma criança faz, ela é simples, busca o amor, principalmente dos pais, e espalha o amor a todos!

Personagem A: Mas o que significa receber o reino como uma criança?

Catequista: Lembram que a gente aprendeu que o reino de Deus é como um grão de mostarda que vai crescendo e crescendo??

Personagens A e B: Sim!

Catequista: É exatamente isso! A criança é uma promessa de crescimento assim como o Reino acontece no nosso coração! A criança recebe o reino com simplicidade e amor para que Ele cresça em seu coração.

Personagem B: E ao crescer, dará muitos frutos?!

Catequista: Exatamente isso!!

Personagem A: Entendi! Devo receber o reino de Deus no meu coração com amor e simplicidade para que Ele cresça! E para isso preciso buscar imitar sempre Jesus!

Catequista: Vamos assumir o compromisso com Jesus de espalhar este ensinamento? Precisamos ter o coração semelhante ao das crianças, para recebermos o reino de Deus!! Que o Espirito Santo nos fortaleça a espalhar essa verdade!!


Sugestão de Música



Ideia para trabalhar esse Evangelho

Vamos realizar uma reflexão com as crianças com exemplos de como é o coração de criança:

- O que vocês acham que tem dentro do coração de uma criança? (Levar a condução para que eles falem dos sentimentos)
- O que devemos deixar de fora do nosso coração?
- O que devemos guardar em nosso coração?
- Como podemos fazer o reino de Deus crescer em nosso coração??
- Quais frutos podemos produzir??

Pode ser feita esta cesta em forma de coração! Motivar as crianças a colocarem tudo que devemos guardar no coração dentro da cesta! E deixar para fora tudo o que não podemos ter em nosso coração.



Oração

Espírito Santo, me ilumina para que eu conserve meu coração puro, como o de uma criança, por toda minha vida, assim estarei mais perto do coração e do reino de Deus.
Amém!


domingo, 16 de setembro de 2018

Evangelho de Marcos 9

Resultado de imagem para 26º domingo do tempo comum ano b
Missa de 30  de setembro de 2018
26º DOMINGO DO TEMPO COMUM


Leituras
Primeira Leitura Nm 11, 25-29
Salmo 18 (19)
Segunda Leitura Tg 5, 1-6
Evangelho Mc 9,38-43.45-47-48
Liturgia Diária

Mensagem Principal
Amados irmãos e amadas irmãs, sintam-se acolhidos na casa do Senhor para elevarmos a Deus o maior louvor que é a Eucaristia. Hoje, encerrando o mês da Bíblia, somos convidados a nos comprometer com a Palavra de Deus e aprender a amá-la cada dia mais. E no Evangelho deste domingo, Jesus chama seus discípulos a ter uma conduta de acordo com o reino de Deus. Exorta para o testemunho cotidiano e a luta constante contra o pecado. Por isso, ao discípulo, que somos chamados a ser, caberá avaliar constantemente a própria vida e erradicar tudo o que pode atrapalhar a missão e a profecia. Se determinado modo de ser ou agir me leva a pecar, devo radicalmente mudar o meu jeito de ser ou agir, para não ser um contratestemunho na vida dos outros.
Folheto Nova Aliança

Para ajudar a refletir e entender o evangelho de hoje:

Preparem-se... estamos preparando o alimento espiritual para os preferidos de Jesus: as crianças!

MENSAGEM


A liturgia do 26º Domingo do Tempo Comum apresenta várias sugestões para que os crentes possam purificar a sua opção e integrar, de forma plena e total, a comunidade do Reino. Uma das sugestões mais importantes (que a primeira leitura apresenta e que o Evangelho recupera) é a de que os crentes não pretendam ter o exclusivo do bem e da verdade, mas sejam capazes de reconhecer e aceitar a presença e a ação do Espírito de Deus através de tantas pessoas boas que não pertencem à instituição Igreja, mas que são sinais vivos do amor de Deus no meio do mundo.
A primeira leitura, recorrendo a um episódio da marcha do Povo de Deus pelo deserto, ensina que o Espírito de Deus sopra onde quer e sobre quem quer, sem estar limitado por regras, por interesses pessoais ou por privilégios de grupo. O verdadeiro crente é aquele que, como Moisés, reconhece a presença de Deus nos gestos proféticos que vê acontecer à sua volta.
No Evangelho temos uma instrução, através da qual Jesus procura ajudar os discípulos a situarem-se na órbita do Reino. Nesse sentido, convida-os a constituírem uma comunidade que, sem arrogância, sem ciúmes, sem presunção de posse exclusiva do bem e da verdade, procura acolher, apoiar e estimular todos aqueles que atuam em favor da libertação dos irmãos; convida-os também a não excluírem da dinâmica comunitária os pequenos e os pobres; convida-os ainda a arrancarem da própria vida todos os sentimentos e atitudes que são incompatíveis com a opção pelo Reino.
A segunda leitura convida os crentes a não colocarem a sua confiança e a sua esperança nos bens materiais, pois eles são valores perecíveis e que não asseguram a vida plena para o homem. Mais: as injustiças cometidas por quem faz da acumulação dos bens materiais a finalidade da sua existência afastá-lo-ão da comunidade dos eleitos de Deus.


Ideia de roteiro para teatro

PB entra com a mão escondida!

PA: Você viu PB que o Joãozinho estava falando sobre Jesus pras crianças na escola ontem?

PB: Eu vi! Que legal né?

PA: Claro que não! Já chamei a atenção dele! Onde já se viu sair falando de Jesus se nem vai à missa e nem faz catequese! É um absurdo isso!

PB: Xiiiiuuuuu! Para de falar isso PA! Esconde sua língua agora! Vão cortar a sua língua!

PA: Cortar a minha língua? Você está doido?

PB: Não, você não ouviu no evangelho? Fala que se sua mão te faz pecar ela deve ser cortada fora! E você está falando do Joãozinho! Está pecando com a língua.

PA: Meu Deus e agora? E porque você está com essa mão escondida?

PB: Pra não cortarem! Fiz pecado com minha mão. Eu bati na minha amiga da escola, então tenho que esconder pra ela não ser cortada!

PA: Não dá pra esconder a língua! Como vou falar?

PB: Se eu fosse você ficava quietinha até passar!

PA tenta falar com a língua escondida.

PB: Não dá pra entender nada!

Catequista: Olá crianças! Estão com cara de assustadas! O que aconteceu?

PA tenta falar sem mostrar a língua e a catequista não entende!

PB: Sabe o que é catequista? Estamos escondendo eu a minha mão e PA a língua para não serem cortadas.

Catequista: Cortadas? Como assim?

PB: No evangelho de hoje fala pra cortar o que for motivo de pecado para nós! Eu bati na minha amiga na escola, então minha mão vai ser cortada e PA brigou com o Joãozinho porque ele estava falando de Jesus sem nem ir na missa ou na catequese. E também começou a falar mal dele pra mim, então é a língua dela que será cortada.

Catequista: Não crianças, vocês não entenderam a mensagem do evangelho. Ninguém está falando sobre cortar as mãos e pés e línguas.

PA: Então posso falar direito?

Catequista: Claro que pode!

PB: Mas catequista o padre falou sobre entrar sem o pé no reino de Deus.

Catequista: Crianças vou explicar para vocês. Quando fala em cortar aquilo que nos faz pecar, estamos falando das nossas atitudes e não apenas dos membros.
Não precisamos cortar nossa mão, basta não a usarmos para bater e nem machucar quem vive conosco. Não precisamos cortar nossa língua, mas cuidar das palavras que saem de nossa boca!

PA: Ah entendi! Mas catequista eu não acho que estou errada de proibir Joãozinho de falar de Jesus pois ele não vai à missa quase nunca e ainda não faz catequese.

Catequista: PA é muito importante ir à missa e também à catequese, mas toda pessoa que fala de Jesus e espalha seus ensinamentos é um construtor do Reino de Deus! E quanto mais pessoas falando e ensinando sobre Jesus mais gente terá a chance de conhece-lo.

PA: Verdade catequista! Não tinha pensado nisso!

Catequista: E falar mal dele não vai ajuda-lo a aprender sobre Jesus. Percebem que são nossas ações que vão nos levar e aproximar nossos amigos de Jesus?

PB: Verdade catequista! Vou conversar com minha amiga e pedir desculpas, assim posso mostrar pra ela que sou amiga de Jesus e sigo os ensinamentos dele pedindo o perdão pra quem eu machuquei.

Catequista: Isso mesmo PB!

PA: Vou aproveitar e também me desculpar com Joãozinho. Posso também convidá-lo para ir comigo à missa!

Catequista: É isso crianças! Precisamos cuidar das nossas atitudes para levarmos o Reino de Deus para as pessoas e vivermos cada dia mais próximos dele.


Sugestão de Música






Ideia para trabalhar esse Evangelho

Fazer com as crianças um quadro com duas colunas, de uma lado vamos colocar atitudes que nos aproximam do reino de Deus e de outro lado atitudes que nos afastam do reino de Deus.

Espalhar pelo local do encontro papéis para que as crianças possam localizar e ver em qual das colunas se encaixam.

Conversar com as crianças sobras as duas colunas e como podemos viver mais perto do Reino de Deus!


Oração

Senhor Jesus, meu amigo querido, me ajude a ter um coração puro  e a ser vigilante para não andar longe dos seus caminhos. Me fortalece e caminha sempre comigo! Amém!

.

domingo, 9 de setembro de 2018

Evangelho de Marcos 9,30-37

Missa de 23  de setembro de 2018


25o DOMINGO DO TEMPO COMUM


Leituras
Primeira Leitura Sb 2,12.17-20
Salmo 53/54
Segunda Leitura Tg 3,16-4,3
Evangelho Mc 9,30-37
Liturgia Diária

Mensagem Principal
A liturgia de hoje nos traz a verdade de que a lógica de Deus é diferente da lógica humana. Mas ao mesmo tempo nos revela que a lógica de Deus pode ser imitada pelo ser humano. Jesus no Evangelho é explícito ao dizer o que significa a lógica de Deus. A lógica de Deus significa ser o “último”. Jesus vai para Jerusalém não para tornar-se um soberano poderoso, mas para tornar-se “o último dos últimos”. E com isso nos ensina que não se chega à ressurreição sem antes passar pela cruz.  Folheto Nova Aliança

Para ajudar a refletir e entender o evangelho de hoje:

Preparem-se... estamos preparando o alimento espiritual para os preferidos de Jesus: as crianças!

MENSAGEM
O texto divide-se em duas partes. Na primeira, Jesus anuncia a sua próxima paixão, em Jerusalém; na segunda, Jesus ensina aos discípulos a lógica do Reino: o maior, é aquele que se faz servo de todos.Na primeira parte (vers. 30-32), Marcos põe na boca de Jesus um segundo anúncio da sua paixão, morte e ressurreição, com palavras ligeiramente diferentes do primeiro anúncio (cf. Mc 8,31-33), mas com o mesmo conteúdo. As palavras de Jesus denotam tranquilidade e uma serena aceitação desses factos que irão concretizar-se num futuro próximo. Jesus recebeu do Pai a missão de propor aos homens um caminho de realização plena, de felicidade sem fim; e Ele vai fazê-lo, mesmo que isso passe pela cruz. A serenidade de Jesus vem-Lhe da total aceitação e da absoluta conformidade com os projectos do Pai.Os discípulos mantêm-se num estranho silêncio diante deste anúncio. Marcos explica que eles não entendem a linguagem de Jesus e que têm medo de O interrogar (vers. 32). As palavras de Jesus são claras; o que não é claro, para a mentalidade desses discípulos, é que o caminho do Messias tenha de passar pela cruz e pelo dom da vida. A morte, na perspectiva dos discípulos, não pode ser caminho para a vitória. O “não entendimento” é, aqui, o mesmo que discordância: intimamente, eles discordam do caminho que Jesus escolheu seguir, pois acham que o caminho da cruz é um caminho de fracasso. Apesar de discordarem de Jesus eles não se atrevem, contudo, a criticá-l’O. Provavelmente recordam a dura reacção de Jesus quando Pedro, logo a seguir ao primeiro anúncio da paixão, Lhe recomendou que não aceitasse o projecto do Pai (cf. Mc 8,32-33).A segunda parte (vers. 33-37) situa-nos em Cafarnaum, “em casa” (será a casa de Pedro?). A cena começa com uma pergunta de Jesus: “Que discutíeis pelo caminho?” (vers. 33). O contexto sugere que Jesus sabe claramente qual tinha sido o tema da discussão. Provavelmente, captou qualquer coisa da conversa e ficou à espera da oportunidade certa – na tranquilidade da “casa” – para esclarecer as coisas e para continuar a instrução dos discípulos.Só neste ponto Marcos informa os seus leitores de que os discípulos tinham discutido, pelo caminho, “sobre qual deles era o maior” (vers. 34). O problema da hierarquização dos postos e das pessoas era um problema sério na sociedade palestina de então. Nas assembleias, na sinagoga, nos banquetes, a “ordem” de apresentação das pessoas estava rigorosamente definida e, com frequência, geravam-se conflitos inultrapassáveis por causa de pretensas infracções ao protocolo hierárquico. Os discípulos estavam profundamente imbuídos desta lógica. Uma vez que se aproximava o triunfo do Messias e iam ser distribuídos os postos-chave na cadeia de poder do reino messiânico, convinha ter o quadro hierárquico claro. Apesar do que Jesus lhes tinha dito pouco antes acerca do seu caminho de cruz, os discípulos recusavam-se a abandonar os seus próprios sonhos materiais e a sua lógica humana.Jesus ataca o problema de frente e com toda a clareza, pois o que está em jogo afecta a essência da sua proposta. Na comunidade de Jesus não há uma cadeia de grandeza, com uns no cimo e outros na base… Na comunidade de Jesus, só é grande aquele que é capaz de servir e de oferecer a vida aos seus irmãos (vers. 35). Dessa forma, Jesus deita por terra qualquer pretensão de poder, de domínio, de grandeza, na comunidade do Reino. O discípulo que raciocinar em termos de poder e de grandeza (isto é, segundo a lógica do mundo) está a subverter a ordem do Reino.Jesus completa a instrução aos discípulos com um gesto… Toma uma criança, coloca-a no meio do grupo, abraça-a e convida os discípulos a acolherem as “crianças”, pois quem acolhe uma criança acolhe o próprio Jesus e acolhe o Pai (vers. 36-37). Na sociedade palestina de então, as crianças eram seres sem direitos e que não contavam do ponto de vista legal (pelo menos enquanto não tivessem feito o “bar mitzvah”, a cerimónia que definia a pertença de um rapaz à comunidade do Povo de Deus). Eram, portanto, um símbolo dos débeis, dos pequenos, dos sem direitos, dos pobres, dos indefesos, dos insignificantes, dos marginalizados. São esses, precisamente, que a comunidade de Jesus deve abraçar. No contexto da conversa que Jesus está a ter com os discípulos, o gesto de Jesus significa o seguinte: o discípulo de Jesus é grande, não quando tem poder ou autoridade sobre os outros, mas quando abraça, quando ama, quando serve os pequenos, os pobres, os marginalizados, aqueles que o mundo rejeita e abandona.No pequeno e no pobre que a comunidade acolhe, é o próprio Jesus (que também foi pobre, débil, indefeso) que Se torna presente.  dehonianos.org

Ideia de roteiro para teatro

Ideia de roteiro para teatro

Personagem A: Vamos, vamos logo, hoje temos que sentar bem na primeira fila da catequese...ficar pertinho da mesa da tia!

Personagem B: Ah mas porque eu não quero ir correndo, eu já ralei meu joelho na semana passada com as suas ideias!

Personagem A: Olha, você vai se arrepender se a gente não chegar logo! Temos que ser os primeiros!

Personagem B: Mas por que?

Personagem A: Porque hoje é a festinha dos aniversariantes do mês!

Personagem B: E o que tem, nem é nosso aniversário... você sabe bem disso, fazemos no mesmo mês!

Personagem A: Sim, o nosso já foi e foi nas férias...não tivemos que dividir nossos doces com um monte de gente... fazer aniversário nas férias é bom...as pessoas viajam! hehehe

Personagem B: Eu preferia ter mais amigos no nosso aniversário!

Personagem A: Ai, estamos perdendo tempo!

Personagem B: Mas eu não entendi ainda porque precisamos correr!

Personagem A: Ai meu Deus, porque assim estaremos mais perto da mesa com as comidas e docinhos e podemos até colocar alguns na nossa mochila! Ser o primeiro da fila! Entendeu agora?

Personagem B: Sim e acho isso muito, muito feio!

Personagem A: Feio? eu acho isso, muito, muito esperto! E se você não quiser fique ai... mas não venha me pedir um brigadeirinho... eu não vou dar!

Personagem B: Amigo, preste atenção, vovó já foi a missa hoje e me contou sobre o evangelho e sobre como Jesus não quis ser o primeiro, quis ser o último!

Personagem A: Jesus, o último?

Personagem B: Sim, o último!

Personagem A: Já sei, não era uma fila de coisas legais, Jesus devia estar na fila de quem vai lavar a louça para mamãe, ou quer quer tomar injeção ou sei lá... coisas ruins! Jesus era muito experto e sabia muitas coisas, ai já soube que neste caso melhor ser último!

Personagem B: Não, não foi isso... Jesus quis mostrar que o mais importante é o amor!

Personagem A: Sim, eu sei que Jesus quer isso sempre... mas neste caso que estamos falando, de uma mesa de doces, ser último não é inteligente. Não sobra nada... só balinhas duras que doem o dente e grudam muito!

Personagem B: Vovó disse que Jesus, mesmo sendo o filho de Deus e sendo muito inteligente e sabendo muitas coisas, não se aproveitava disso, pelo contrário, ele dava a vez a quem mais precisava e isso era demonstrar o amor!

Personagem A: Eu preciso de doces!

Personagem B: Não, não precisa! Precisa aprender esta lição!

Personagem A: Lição?

Personagem B: Imagine que a festinha da catequese hoje vai ter um convidado especial!

Personagem A: Quem?

Personagem B: Jesus!

Personagem A: Tá bem, vou imaginar!

Personagem B: Quem deve ser o primeiro da fila!

Personagem A: Jesus né!

Personagem B: Não, não, ele não quer... disse que outra pessoa pode ir sentar lá!

Personagem A: Ah já que ele não quer, então eu!

Personagem B: Jesus disse que quer que alguém que necessite muito se sentir amado e querido seja o primeiro, você precisa?

Personagem A: Não, não... eu já me sinto assim,  eu sou amado, querido! quero só os docinhos mesmo! hehehe

Personagem B: Pois é! você não entendeu o mais importante!

Personagem A: Ai meu Deus, que mal tem nisso? eu sempre faço isso...as pessoas já sabem que eu gosto de ser o primeiro.

Personagem B: Jesus não quer isso da gente... quer que a gente seja o último!

Personagem A: Ah não pode ser!

Personagem B: Claro que é, Jesus quando quis ser ultimo podia sempre, sempre ser o primeiro não é?

Personagem A: Sim, é o filho de Deus!

Personagem B: Pois é, e não quis... quis ser uma pessoa para mostrar o amor, quis estar ali e dizer: Pode vir por aqui, é o melhor caminho para a mesa dos docinhos e pode se sentar, já vamos te servir!

Personagem A: É Jesus gosta de ensinar... eu também... eu tô até aqui tentando te ensinar... mas você complica muito as coisas... porque teve que chamar Jesus para a nossa festa hein!?

Personagem B: Amigo, estamos só pensando aqui para tomar a melhor decisão, e a melhor decisão tomamos imitando Jesus, por isso falei para a gente imaginar a festinha com ele, nosso amigão!

Personagem A: Sim, desculpe eu estou entendo... é que é dificil... eu de verdade gosto muito de doces! É a melhor parte da festa!

Personagem B: A melhor parte da festa é ter Jesus no coração, estar na catequese, ter comida lá e em casa, tem amigos e uma famila que ama muito a gente!

Personagem A: É verdade, estou envergonhado!

Personagem B: Não precisa, amigo! Só precisamos aprender que ser o ultimo pode ser muito bom! O último espera todos chegarem e vai indicando qual é o caminho! O caminho do nosso amigão Jesus, o caminho do céu!

Personagem A: Verdade amigo, vou fazer isso... ai, ai... e tomara que sobre uns docinhos para mim!

Personagem B: Vamos ganhar sim e não vai ser o que sobrar, a tia vai ficar tão orgulhosa quando contarmos o que aprendemos que com certeza vai nos dar docinhos de prêmio!

Personagem A: Ebaa!

Personagem B: Quem é último com Jesus, ou melhor, como foi Jesus, vai sempre ter a melhor parte da festa! a festa de amor!

Sugestão de Música




Ideia para trabalhar esse Evangelho

Toda criança tem problemas com "filas" buscam os lugares conforme lhe convém. Se é para algo legal, querem ser os primeiros e se é o contrário disputam os últimos lugares.

Faça um exercício com eles chamando a todas para formar várias filas e vejam como se comportam. Veja alguns exemplos, agora nossa fila é para:

Ganhar um presente
Ir passear
Lavar a louça do almoço
Arrumar a cama

Reflita com elas que para as coisas boas buscamos ocupar os primeiros lugares e nem olhamos se alguém precisa estar ali mais que a gente, corremos e o mais forte vence.

E quando não é algo legal, disputamos os ultimos lugares...

Jesus é o mais forte de todos e sempre foi, e no evangelho de hoje nos deu uma lição. A humildade!

Ele tudo podia, mas se fez como nós e sofreu tudo... nós não queremos nadinha de sofrimento, ao contrário, queremos só "nos dar bem".

Será que podemos pensar um pouco sobre isso e melhorar?

Quais filas você já entrou? o que sentiu, por que fez assim? e agora vendo o exemplo de Jesus, faria diferente? O que?



Oração

Senhor Jesus, meu amigo querido, me ajude a ter um coração parecido com o Teu! Quero sempre deixar o seu amor em mim mostrar a todos que eu encontrar que somos amigos e isso é mais importante que tudo!

.

domingo, 2 de setembro de 2018

Evangelho de Marcos 8,27-35

Resultado de imagem para atividades tomar sua cruz e siga-me
Missa de 16 de Setembro de 2018


24º DOMINGO DO TEMPO COMUM

Leituras
Primeira Leitura  (Is 50,5-9a)
Salmo  (Sl 114 (115))
Segunda Leitura  (Tg 2,14-18)
Evangelho  (Mc 8,27-35)
Liturgia Diária





Mensagem Principal

Para ajudar a refletir e entender o evangelho de hoje:

Preparem-se... estamos preparando o alimento espiritual para os preferidos de Jesus: as crianças!

Amados irmãos e irmãs, neste domingo, a Palavra de Deus nos mostra como um cristão deve portar-se no mundo. Aprendemos com Jesus que o distintivo do cristão, a marca do verdadeiro seguidor de Jesus e o sinal de quem realmente deseja a felicidade é o carregar a cruz de cada dia, unidos ao amor que reconhece o próximo como um irmão. Conhecer Jesus significa imitá-lo. Diz o Salmo 118: “Lâmpada para os meus pés é tua palavra, e luz para o meu caminho”. E é isto que vamos lembrar, particularmente, neste mês de setembro. Se queremos andar na luz é preciso carregar a lâmpada. É necessário procurar ter intimidade com as Escrituras e deixar-se guiar por elas.
Fonte: Folheto Nova Aliança.


Ideia de roteiro para teatro


(Crianças entram uma segurando um alto-falante e outra com um microfone)
PA: Oi pessoal! Oi PB, tudo bem?
PB: Oi PA, estou bem!
PA: Nossa PB, você trouxe um microfone? Tem um monte desses aqui na igreja (risadas)
PB: A é! E você com esse alto-falante, vai pagar o maior mico. (risadas)
PA: Ah engraçadinho, foi o que consegui ta!
PB: Quer saber PA, não tem problema, o que importa é Jesus nos escutar neh!
PA: É mesmo, vamos começar?
PB: Vamos!
PA: Nossa PB! Será que não é melhor perguntar para o Padre, se podemos fazer isso aqui na igreja?
(Catequista entra e ouvi a pergunta do PA)
C: Oi crianças!
PA: Oi Catequista
PB: Oi Catequista, tudo bem?
C: Tudo bem PB, graças a Deus! Agora me respondam uma coisa, porque estou muito curiosa, porque estão com um microfone e um alto-falante aqui na igreja?
PA: Muito simples C, nós participamos da missa juntos e ouvimos uma coisa muito importante no evangelho
C: Aé que ótimo! Vocês estão de parabéns, devemos prestar muita atenção no evangelho, para aprendermos tudo o que Jesus nos ensina.
PA: Sim, e nós entendemos tudo hoje!
C: Que bom! Mas me falem o que vocês ouviram no evangelho?
PA: No evangelho Jesus diz que ‘’Se alguém quer me seguir, anunciai a si mesmo’’, então é isso que vamos fazer.
PB: Isso C, nós queremos seguir Jesus então, precisamos fazer o que ele pediu por isso vamos nos anunciar pra Jesus.
C: Ai crianças, vocês fizeram uma pequena confusão!
PA: Não fizemos não C! Jesus só quer ter certeza, então ele pede para quem quiser segui-lo se anunciar.
PB: E pra isso trouxemos esse microfone e esse alto-falante, será impossível Jesus ficar na dúvida.
C: Crianças, vocês se confundiram com uma palavrinha no evangelho, Jesus fala em Renunciar e não Anunciar
PA: Como assim?
C: O que Jesus diz é “Se alguém me quer seguir, Renuncie a si mesmo”
PA: Ah não acredito, nos confundimos de novo! Mas o que ele quer dizer com renunciar a si mesmo?
PB: O que significa Renunciar a si mesmo?
C: Crianças, Renunciar a si mesmo significa, deixar de ser quem queremos, para ser como Deus nos pede que sejamos.
PA: Como assim ser como Deus nos pede?
C: Vou dar um exemplo, se em algum momento, tivermos vontade de fazer uma coisa ruim, devemos lembrar que não é isso que Deus quer de nós e então procurar fazer o bem, assim estaremos renunciando a nossa vontade e fazendo a vontade de Deus.
PA: Porque Deus sempre quer o melhor para nós neh Catequista?
C: Isso mesmo PA! E mais, no evangelho de hoje Jesus também fala que devemos Tomar a nossa Cruz e segui-lo
PB: Nossa! O que Jesus quer dizer com Tomar nossa Cruz e segui-lo?
PA: Ué, é pra carregar uma cruz e segui-lo.
C: Crianças, para Seguir Jesus, não basta só decidir segui-lo, precisamos renunciar a muitas de nossas vontades para fazer a vontade dele.
PA: Mas nem sempre é fácil renunciar a nossa vontade neh Catequista?
C: Por isso que Jesus usa a Cruz como exemplo, por ser uma coisa difícil de carregar, mas que precisamos carregá-la para segui-lo, ou seja, precisamos renunciar nossas vontades para segui-lo.
PB: Mas como conseguimos saber qual é a vontade de Deus pra nossa vida?
C: Através da Bíblia, dos ensinamentos que Jesus nos deixa através do evangelho.
PB: Ah então estamos no caminho certo neh Catequista? Porque procuramos sempre entender e colocar em pratica o que o evangelho nos diz.
C: Isso mesmo crianças, mesmo que às vezes vocês se confundem um pouco, com o tempo terão sabedoria para entender bem o evangelho e assim conseguirão seguir os ensinamentos de Jesus e fazer a vontade de Deus.
PA: Nossa que lindo o evangelho de hoje!
C: lindo mesmo! Agora vamos fazer uma oração?
PA e PB: Vamos!



Sugestão de Música



Ideia para trabalhar esse Evangelho

DINÂMICA

a)QUEM É JESUS?Levar um espelho onde cada um possa se observar no espelho. Questionar: Quem você viu no espelho? Como você está no espelho? Como você pode descrever o que viu ( quem roupa está/ cor do cabelo, olhos, calçados, etc).Jesus também quer que o reconheça quem ele é. ( Mostrar a imagem de Jesus). Questionar: Quem é Jesus pra você ? De onde você conhece Jesus? Quando você reza, percebe que Jesus está bem pertinho de você?“HOJE, JESUS QUER SE APRESENTAR COMO CRISTO. ELE NOS AMA E QUER QUE O SIGAMOS”.b)SEGUIR A JESUSJesus quer que o conheçamos para que possamos levar sua mensagem de bem a todas as pessoas. Agora que já sabemos quem é Jesus, vamos conversar sobre “como seguir Jesus”Questionamentos:(Levar 6 cruzes- confeccionar com palito de churrasquinho e colorir cada uma de uma cor)Hoje, Jesus está nos ensinando que para segui-lo precisamos conhecê-lo e também a Renunciar as nossas vontades erradas. Então vamos comparar essa caminhada, com cruzes.1.ª Cruz ( amarela) – “Preguiça”- Nessa cruz vamos lembrar que para seguir Jesus precisamos Renunciar a preguiça.” Senhor, nos ajude a não ter preguiça para participar das coisas da Igreja, Amém”.2ª Cruz ( preta) – “Sujeira” Nessa cruz vamos lembrar que precisamos Renunciar e  limpar nosso coração de maldades ( raiva/mentira/desobediência). “Senhor, ajude-nos a tirar do nosso coração o mal para que ele fique limpinho. Amém”.3ª cruz ( vermelho)-“Conhecer Jesus” - Nessa cruz vamos lembrar que precisamos ter vontade para conhecer e divulgar quem é Jesus e também que somos chamados a segui-lo. “Senhor, ajude-nos a reconhecer que Seu amor nos salvou”.4ª Cruz ( branca) – “ Espírito Santo”-Nessa cruz vamos lembrar que ao seguir Jesus uma grande paz inunda nossas vidas. “Senhor, ajuda-nos a viver em paz.”5ª Cruz ( verde)- “Levar o evangelho a todos”- Nessa cruz vamos lembrar que precisamos levar o bem a todas as pessoas para seguir a Jesus. “Senhor, nos dê um coração de seguidor.”6ª Cruz ( azul) – “Viver em comunidade”-Nessa cruz vamos lembrar que para seguir Jesus precisamos participar da Igreja. “Senhor, ajuda-nos a participar da catequese, da missa, dos encontros para crianças com muito amor.”



Oração
Senhor Jesus, me ajude a Renunciar as minhas vontades e a entender e sua, me ajude a carregar a minha Cruz, mesmo sendo difícil. Pois eu quero Segui-lo!
Amém