Quem somos?

Minha foto
Somos um Ministério de Evangelização de Crianças da Diocese de São José dos Campos desde 1999. Utilizamos como recurso de evangelização o teatro. Também organizamos formações para evangelizadores e catequistas. Estamos sempre a disposição! Precisando é só mandar um mail para cantinhodanjos@gmail.com Vamos levar nossas crianças para Jesus!!

quinta-feira, 17 de outubro de 2019

Evangelho de Lucas 18,9-14

Missa de 27 de outubro de 2019
 30o DOMINGO DO TEMPO COMUM


Leituras
Primeira Leitura  Ecle 35, 15b  -17.20-22a (gr. 12-14.16-18)
Salmo 33
Segunda Leitura 2 Tm,6,6-8. 16-18
Evangelho Lucas 18, 9-14
Fonte: Liturgia Diária CNBB


Mensagem Principal

Irmãos e irmãs, hoje em Roma encerrou-se o Sínodo da Pan-Amazônia. Foi para toda a Igreja um momento de graça e esperança. Caminhando agora, para o fim do Mês Missionário Extraordinário que refletiu sobre o tema: “Batizados e enviados: a Igreja de Cristo em missão no mundo”, que o Espírito de Deus nos ajude a continuar reavivando a missionariedade que recebemos no batismo. Em comunhão com a Igreja no Brasil, celebramos hoje o Dia Nacional da Juventude com o tema: “Juventude e Políticas Públicas: uma história nos chama à civilização do amor!” Rezemos para que o Senhor fortaleça com seu Espírito os missionários e missionárias presentes em diferentes lugares deste mundo, e, em noso país, com a sua graça. Fonte: Folheto Nova Aliança

Para ajudar a refletir e entender o evangelho de hoje:
Preparem-se... estamos preparando o alimento espiritual para os preferidos de Jesus: as crianças!


MENSAGEM

No fariseu e no publicano da parábola, Lucas põe em confronto dois tipos de atitude face a Deus.

O fariseu é o modelo de um homem irrepreensível face à Lei, que cumpre todas as regras e leva uma vida íntegra. Ele está consciente de que ninguém o pode acusar de cometer acções injustas, nem contra Deus, nem contra os irmãos (e, aparentemente, é verdade, pois a parábola não nos diz que ele estivesse a mentir). Evidentemente, está contente (e tinha razões para isso) por não ser como esse publicano que também está no Templo: os fariseus tinham consciência da sua superioridade moral e religiosa, sobretudo em relação aos pecadores notórios (como é o caso deste publicano).
O publicano é o modelo do pecador. Explora os pobres, pratica injustiças, trafica com a miséria e não cumpre as obras da Lei. Ele tem, aliás, consciência da sua indignidade, pois a sua oração consiste apenas em pedir: “meu Deus, tende compaixão de mim que sou pecador”.
O comentário final de Jesus sugere que o publicano se reconciliou com Deus (a expressão utilizada é “desceu justificado para sua casa” – o que nos leva à doutrina paulina da justificação: apesar de o homem viver mergulhado no pecado, Deus, na sua misericórdia infinita e sem que o homem tenha méritos, salva-o). Porquê?
O problema do fariseu é que pensa ganhar a salvação com o seu próprio esforço. Para ele, a salvação não é um dom de Deus, mas uma conquista do homem; se o homem levar uma vida irrepreensível, Deus não terá outro remédio senão salvá-lo. Ele está convencido de que Deus lhe deve a salvação pelo seu bom comportamento, como se Deus fosse apenas um contabilista que toma nota das acções do homem e, no fim, lhe paga em consequência. Ele está cheio de auto-suficiência: não espera nada de Deus, pois – pensa ele – os seus créditos são suficientes para se salvar. Por outro lado, essa auto-suficiência leva-o, também, ao desprezo por aqueles que não são como ele; considera-se “à parte”, “separado”, como se entre ele e o pecador existisse uma barreira… É meio caminho andado para, em nome de Deus, criar segregação e exclusão: é aí que leva a religião dos “méritos”.
O publicano, ao contrário, apoia-se apenas em Deus e não nos seus méritos (que, aliás, não existem). Ele apresenta-se diante de Deus de mãos vazias e sem quaisquer pretensões; entrega-se apenas nas mãos de Deus e pede-Lhe compaixão… E Deus “justifica-o” – isto é, derrama sobre ele a sua graça e salva-o – precisamente porque ele não tem o coração cheio de auto-suficiência e está disposto a aceitar a salvação que Deus quer oferecer a todos os homens.
Esta parábola, destinada a “alguns que se consideravam justos e desprezavam os outros”, sugere que esses que se presumem de justos estão, às vezes, muito longe de Deus e da salvação. Fonte: dehonianos.org


Ideia de roteiro para teatro


Personagem A: Oi Personagem B!! Tudo bem?

Personagem B: Tudo!

Personagem A: Nossa que cara feia é essa? Estamos chegando para a catequese e você está com essa cara!!

Personagem B: Nada não!! Você que está muito feliz!! Pelo visto conseguiu fazer a tarefinha que a Catequista nos pediu!!

Personagem A: Estou feliz mesmo!! Consegui sim fazer a terefinha!! E amei muito fazer!

Personagem B: Você amou?! Achei muito difícil fazer o que a nossa Catequista nos pediu!! Você não achou difícil fazer uma lista em que nos parecemos com Jesus e em que precisamos melhorar para ficar mais parecido com Ele?

Personagem A: Eu não achei difícil!! A minha lista está ótima! Não tiver problema em fazer não! Descobri que sou muito parecido com Jesus!!

Personagem B: Está falando sério? Não consegui fazer a minha direito não!

Personagem A: Mas como você fez?

Personagem B: Então eu me coloquei de joelhos, pedi que o Espirito Santo me iluminasse e peguei a caneta para começar a escrever!! Mas não consegui, pois acho que me falta MUITO para ser parecido com Jesus!!

Personagem A: Não acredito... Olha eu nem precisei pedir para que o Espirito Santo me iluminasse... simplesmente comecei a escrever... afinal sou muito parecida com Jesus porque sou uma pessoa caridosa, amo a todos, sou inteligente, gosto de contar histórias, rezo todas as noites...

Personagem B: Como assim?! Penso que não é bem assim! Quantas vezes você já emprestou seus brinquedos, quantas vezes você foi obediente aos seus pais...? 

Personagem A: Pode parar!! A lista é minha! Tenho certeza de que a nossa Catequista vai amar!!

Entra a Catequista

Catequista: Olá crianças!! Vamos para a Catequese?

Personagem A: Eu posso ir sim!! Agora o Personagem B não pode não!! Ele não fez a tarefa que você passou!! Agora eu fiz e descobri que sou praticamente igualzinha a Jesus!! Então posso entrar, sentar bem na frente!! Agora o Personagem B tem que sentar lá trás!

Personagem B: Até parece!!

Catequista: Calma crianças!! Vocês estão parecendo com o Fariseu e Cobrador de Impostos do Evangelho da missa de hoje!!

Personagem A: Como assim?

Catequista: Vou explicar. Entraram no Templo para rezar o Fariseu e o Cobrador de Impostos.

Personagem B interrompe e pergunta: o que é Fariseu?

Catequista: Fariseu é um judeu que obedecia as leis religiosas “ao pé da risca” e não se relacionava com as pessoas que eles achavam que eram pecadoras. Naquela época o cobrador de impostos era visto como um pecador, pois cobrava impostos para o governo.

Personagem B: Ah entendi!! Continua!

Catequista: Então os dois subiram no Templo para rezarem. O fariseu se achava o mais justo, o mais honesto, o que merecia mais as coisas de Deus pois fazia jejum e rezava!! Também julgava ser uma pessoa sem pecado e não se misturava com pessoas que ele achava que eram pecadores!

Personagem A: Que coisa feia ele fazia!! Nossa acho mesmo que eu estava me parecendo com ele! Só estava vendo minhas qualidades e me achando!!

Catequista: Pois é!! Já o cobrador de impostos se colocava como pecador, que tinha vergonha até de olhar para céu e só pedia a Deus que tivesse piedade Dele!

Personagem B: Entendo bem Catequista, pois me sinto assim!!

Catequista: O que Jesus quer nos ensinar com esta história é que um bom cristão deve estar atento com as suas atitudes para que sejam atitudes de amor, humildade e que se preocupem em ser amigos de todos sem julgar as outras pessoas. Devemos também ter um coração agradecido a Deus por tudo na nossa vida!

Personagem A: Agora estou entendendo!! Eu estava muito errada com a minha lista!!

Catequista: Prestem atenção no que vou falar agora: Jesus é o nosso irmão mais velho! Todo irmão mais velho ensina os mais novos como fazer as coisas!

Personagem B: Lá em casa foi assim... eu sou irmão mais velho e ensinei meu irmão a engatinhar!

Catequista: Isso mesmo! Os irmãos mais novos ficam olhando e aprendendo com o irmão mais velho! É assim que devemos fazer!! Devemos aprender com o nosso irmão mais velho, Jesus, como devemos viver!! Assim ficaremos mais e mais parecidos com Ele!!

Personagem A: Nossa que legal!! Quero ficar grudadinho com Jesus para ficar mais e mais perecido com Ele!

Personagem B: Eu também!!


Catequista: Então vamos fazer uma oração e pedido ao Espírito Santo que nos ajude nesta missão!! Assim teremos um coração cada vez mais bonito!

Sugestão de música




Ideia para trabalhar esse Evangelho

A sugestão para trabalhar esse Evangelho é a seguinte: sentar às crianças em circulo para fazer a reflexão sobre o Fariseu e o Cobrador de Impostos. Explicar sobre cada um deles e mostrar em quais momentos somos mais parecidos com o fariseu e quais somo mais cobradores de impostos.
Resultado de imagem para contorno de corpo humano
Entregar para cada criança uma folha com um contorno de boneco, como esse aqui!

A dinâmica é a seguinte: este boneco nos representa!! Mas está faltando muitas coisas nele como olhos, nariz, boca...
A sugestão é fazer uma reflexão sobre como podemos ficar mais parecidos com Jesus!!
Para isso podemos fazer as seguintes perguntas:
- Como são os olhos de Jesus? E seu olhar é como? Esperar que as crianças participem respondendo e conduzir para que elas entendam que o olhar de Jesus é um olhar de compaixão, amor, vê as necessidades dos outros...
- E a boca de Jesus? Como é que Ele fala com  as pessoas?
- E o coração?? Como são os sentimentos de Jesus?
- As mãos de Jesus nos ensinam fazer o que?
- E os pés de Jesus?? Por onde Jesus andava o que Ele espalhava??
Para cada reflexão, as crianças vão desenhando no boneco os olhos, boca.... E após cada reflexão, pode ser feito uma oração como: Senhor me ajude a ter olhos iguais aos seus. Que eu saiba ver as necessidades dos meus irmãos e agir sempre com compaixão!!
Assim as crianças vão criando referências com Jesus! Isso vai aproximar cada criança de Jesus! Para ficarmos parecidos com Jesus, precisamos aprender com Ele a cuidar das nossas atitudes!!
Mostrar para as crianças que depois de toda a reflexão e oração, ficamos mais parecidos com Jesus! Então pode ser dado para cada criança uma máscara com o rosto de Jesus! Assim elas podem explicar para seus pais como podemos ficar mais parecido com o nosso irmão mais velho, Jesus!












Oração

Querido Jesus,

Quero pedir nesse momento que o Espirito Santo venha em meu coração para que eu tenha um coração agradecido a Deus e que ame sem julgar ninguém. Que Ele venha abrir os meus olhos para eu ter atenção nas minhas atitudes.
Jesus, quero te imitar e assim ficar cada vez mais parecido com o Senhor!

Amém

Evangelho de Lucas 18, 1 - 8

Missa de 20 de Outubro de 2019.


29º DOMINGO DO TEMPO COMUM


Leituras
Primeira Leitura Ex 17,8-13a
Salmo Salmo 120 (121)
Segunda Leitura 2 Tim 3,14-4,2
Evangelho Lc 18,1-8
Fonte: liturgiadiaria.cnbb

Mensagem Principal


Hoje celebramos o Dia Mundial das Missões. A cena do Evangelho descrita por Lucas destaca a ‘necessidade de rezar sempre, e nunca desistir’. Rezar é a primeira forma de cooperação missionária. Perseverando neste caminho, ‘Deus fará justiça bem depressa’. No contexto atual, são multidões de pobres representados pelo grito da viúva. Todo batizado é enviado por Deus para fazer-se próximo dos que mais necessitam e clamam por justiça. Fonte: Folheto Nova Aliança

Para ajudar a refletir e entender o evangelho de hoje:
Preparem-se... estamos preparando o alimento espiritual para os preferidos de Jesus: as crianças!

MENSAGEM

A Palavra que a liturgia de hoje nos apresenta convida-nos a manter com Deus uma relação estreita, uma comunhão íntima, um diálogo insistente: só dessa forma será possível ao crente aceitar os projetos de Deus, compreender os seus silêncios, respeitar os seus ritmos, acreditar no seu amor.
O Evangelho sugere que Deus não está ausente nem fica insensível diante do sofrimento do seu Povo... Os crentes devem descobrir que Deus os ama e que tem um projeto de salvação para todos os homens; e essa descoberta só se pode fazer através da oração, de um diálogo contínuo e perseverante com Deus.
A primeira leitura dá a entender que Deus intervém no mundo e salva o seu Povo servindo-se, muitas vezes, da ação do homem; mas, para que o homem possa ganhar as duras batalhas da existência, ele tem que contar com a ajuda e a força de Deus... Ora, essa ajuda e essa força brotam da oração, do diálogo com Deus.
A segunda leitura, sem se referir diretamente ao tema da relação do crente com Deus, apresenta uma outra fonte privilegiada de encontro entre Deus e o homem: a Escritura Sagrada... Sendo a Palavra com que Deus indica aos homens o caminho da vida plena, ela deve assumir um lugar preponderante na experiência cristã. Fonte: dehonianos.org

Ideia de roteiro para teatro


PB: Oi PA! Que bom que você chegou!

PA: Xiuuuu!

PB: Nossa o que é isso? Estou feliz em te ver!

PA: Xiuuuu!

PB: Xiuuu pq?

PA: Ai PB! Estou esperando a resposta!

PB: Que resposta?

PA: A resposta de Deus ué! Estou falando com Ele desde cedo hoje!

PB: Xii PA! Desiste! Ele não vai te responder não.

PA: Claro que vai! Minha mãe sempre fala que Deus responde todas as orações dela.

PB: E como vai ser essa resposta?

PA: Ah PB! Isso eu ainda não sei! É por isso que estou pedindo para você fazer silêncio! Senão como vou ouvir a resposta de Deus.

PB: Mas o que foi que você perguntou?

PA: Ai PB não foi uma pergunta! Foi uma oração. Um pedido.

PB: Hummm entendi! Mas mesmo assim eu acho que Ele não vai responder!

PA: E por que não?

PB: Porque Deus é muito ocupado. Tem um monte de coisas pra fazer. Você acha que Ele vai ficar se preocupando com coisas tão pequenas?

PA: Acho sim PB! Deus olha com carinho e escuta a oração de cada filho!

Catequista: Olá crianças! Tudo bem?

PB: Tudo Catequista! Me ajuda explicar pro PA que Deus é muito ocupado e não tem tempo pra ficar ouvindo todas as orações e pedidos!

Catequista: Mas PB!, Deus realmente escuta cada um de nós!

PA: Viu! Eu não disse!

PB: Se Deus escuta porque tem algumas coisas que pedimos e não escutamos a resposta?

Catequista: As vezes PB Deus usa várias formas pra falar em nossos corações. O que acontece é que muitas vezes não damos atenção aos sinais.

PA: Por isso que  eu  pedi silêncio.  Precisava me concentrar.

Catequista: Todos os dias temos que conversar  com  Deus. Nossa oração tem que ser persistente.  Não  podemos desanimar por pensar que  Ele não nos ouve.

PB: Mas catequista,  eu não  gosto  de  conversar  e ficar sem ouvir nada de volta. Será mesmo que ele está  ouvindo?

Catequista: Bom PB, o Evangelho de hoje falava de um juiz que não temia a Deus e nem respeitava as pessoas e ainda assim ele fez justiça  a uma viúva  que o chamava todo o tempo.

PA: Imagina Deus que é bondoso e nos ama muito? Fica feliz quando falamos com Ele.

Catequista: Isso mesmo PA! Se um juiz mau atende a um chamado, nosso Deus bondoso e misericordioso  muito mais. Temos que estar sempre atentos e nunca deixar de falar com ele.

PB: E eu posso falar com ele mesmo quando eu não tiver nada pra pedir?

Catequista: Sim PB. Nossa conversa diária  com Deus faz nossa vida melhor e nosso coração  mais feliz. Quanto mais perto de Deus estivermos, mais vamos compreender  o  que Ele nos diz e como Ele chega até nós.


Sugestão de Música



Ideia para trabalhar esse Evangelho

Pra trabalhar o tema oração vamos montar o relógio da oração, para estimular as crianças a rezarem todos os dias, de forma que cada criança escolha um tema a ser abordado em cada dia da semana, sendo que a oração do domingo será feita na Santa Missa.

Para os demais dias, segue abaixo exemplos de intenções:

 

Segunda-feira (1): Oração de Louvor e Adoração, reconhecendo que Deus é o Senhor de nossas vidas!

Terça-feira (2): Oração reconhecendo que somos pecadores, confessando nossos pecados e pedindo que Deus nos ilumine que sejamos fortes para não mais cometê-los!

Quarta-feira (3): Oração pessoal por suas próprias necessidades, por seus sonhos e pedidos!

Quinta-feira (4): Oração pela família e amigos!

Sexta-feira (5): Ore pela Igreja e pelas nações!

Sábado (6): Termine a semana agradecendo a Deus por tudo!

Domingo: Participação alegre e ativa na Santa Missa para começar bem a semana!

No momento da montagem de cada dia, a catequista acolhe a intenção de cada criança e faz uma breve oração com todos.

Oração

Papai do céu, me ajuda a ter disciplina para fazer minhas orações todos os dias! Que eu não tenha preguiça e sim muita alegria, pois é na oração que encontro meu maior amigo que é o Senhor! Amém!







sábado, 12 de outubro de 2019

Evangelho de Lucas 17, 11 - 19

Missa de 13 de Outubro de 2019.
Resultado de imagem para OS 10 LEPROSOS

28º DOMINGO DO TEMPO COMUM




Leituras
Primeira Leitura 2 Reis 5,14-17
Salmo Salmo 97 (98)
Segunda Leitura 2 Tim 2,8-13
Evangelho Lc 17,11-19

Fonte: Liturgia Diária CNBB

Mensagem Principal


Irmãos e irmãs celebrando o Mês Missionário Extraordinário, contemplamos o testemunho de Naamã, o sírio, que, reconhece a misericórdia de Deus e manifesta a gratidão ao se ver curado. Jesus Cristo, o Missionário do Pai, mais uma vez, manifesta sua compaixão para com os que sofrem e vivem nas periferias. Ele acolhe os leprosos e lhes concede a graça da cura e os envia em missão. Paulo, missionário de Jesus Cristo, é sinal de quem oferece sua vida acreditando que todos são chamados à salvação que vem de Jesus Cristo. O exemplo do missionário Paulo nos ajude a ser, como batizados, Igreja de Cristo em missão no mundo. Unidos ao Papa Francisco e ao Sínodo Pan Amazônico, em Roma.

Fonte: Nova Aliança


Para ajudar a refletir e entender o evangelho de hoje:
Preparem-se... estamos preparando o alimento espiritual para os preferidos de Jesus: as crianças!

A liturgia deste domingo mostra-nos, com exemplos concretos, como Deus tem um projeto de salvação para oferecer a todos os homens, sem excepção; reconhecer o dom de Deus, acolhê-lo com amor e gratidão, é a condição para vencer a alienação, o sofrimento, o afastamento de Deus e dos irmãos e chegar à vida plena.

A primeira leitura apresenta-nos a história de um leproso (o sírio Naamã). O episódio revela que só Jahwéh oferece ao homem a vida e a salvação, sem limites nem excepções; ao homem resta acolher o dom de Deus, reconhecê-l'O como o único salvador e manifestar-Lhe gratidão.

O Evangelho apresenta-nos um grupo de leprosos que se encontram com Jesus e que através de Jesus descobrem a misericórdia e o amor de Deus. Eles representam toda a humanidade, envolvida pela miséria e pelo sofrimento, sobre quem Deus derrama a sua bondade, o seu amor, a sua salvação. Também aqui se chama a atenção para a resposta do homem ao dom de Deus: todos os que experimentam a salvação que Deus oferece devem reconhecer o dom, acolhê-lo e manifestar a Deus a sua gratidão.

A segunda leitura define a existência cristã como identificação com Cristo. Quem acolhe o dom de Deus torna-se discípulo: identifica-se com Cristo, vive no amor e na entrega aos irmãos e chega à vida nova da ressurreição.




Ideia de roteiro para teatro

PB: Oi PA!

PA: Oi PB tudo bem?

PB: Tudo sim! Tava aqui pensando uma coisa PA! Eu não tenho agradecido muito à Deus nestes últimos dias.

PA: E por que você estava pensando nisso?

PB: Porque eu estava reclamando ontem porque não podia brincar, tinha um monte de tarefas da escola para fazer. Reclamei, reclamei e reclamei um tempão. Aí minha mãe me pediu pra fazer uma lista com todas as coisas boas que aconteceram.

PA: Uau! Vou fazer uma lista também PB! Você me ajuda?

PB:Claro PA!

PA: Vamos começar então.

PB: Eu tenho uma casa, uma família, a escola, a Catequese...

PA: Tenho muitos amigos, a minha escola, saúde... Nossa temos mesmo muito para agradecer né? Porque será que a gente se esquece de fazer isso?

Catequista: Do que vocês  se esquecem?

PB: Oi Catequista! Nem vi você  entrando. Estava falando com PA que nos esquecemos de agradecer por todas as coisas boas que acontecem.

Catequista: Verdade  crianças! Temos muitos motivos para agradecer a Deus e nem sempre prestamos atenção  em tudo o que Ele nos dá.

PA: E as vezes só reclamamos  né  catequista?

Catequista: Sim crianças.  As vezes fazemos como os leprosos do Evangelho de hoje! Vocês prestaram  atenção?

PB: Sim! Sempre presto atenção! Eles estavam pedindo pra Jesus ajudar eles ficarem curados!

PA: E  Jesus ajudou, mas depois só um deles voltou para agradecer.

Catequista: Isso mesmo crianças! Deus está lá o tempo todo disposto a nos ajudar, a nos curar. Tem um lindo plano para nossa salvação.

PB: Mas só se realiza quando agradecemos?

Catequista: Não PB! Deus  nos ama e quer o melhor para nós.  Assim como ele curou os leprosos e devolveu vida e saúde  para eles, o convite a estar com Jesus e viver uma nova vida com ele é para todos.

PA: Mas ele prefere quem agradece?

Catequista: Não  é  isso não  PA. Nosso agradecimento não muda em nada o amor de Deus por nós, mas quando vivemos a Gratidão à Deus nós nos aproximamos dele e estar perto de Jesus é muito bom.

PA: Deve ser por isso que um leproso voltou para agradecer.

Catequista: Sim! Ao longo do caminho ele percebeu que  tinha sido curado e voltou pra  agradecer e pra levar uma vida com Jesus.

PB: Não  vou mais me esquecer de agradecer. Eu também quero viver pertinho de Jesus.


PA: Eu também! E quero ensinar meus amigos que Jesus tem esse plano lindo que é para todos!

Sugestão de Música


Ideia para trabalhar esse Evangelho



Oração
Senhor Jesus me ajude a sempre ser Grato por todas as bençãos alcançadas e também por toda vida dom gratuito que vem de Ti. Amém!


domingo, 29 de setembro de 2019

Evangelho de Lucas 17, 5 - 10

Missa de 06 de Outubro de 2019.

27º DOMINGO DO TEMPO COMUM


Leituras
Primeira Leitura Hab 1,2-3; 2,2-4
Salmo Salmo 94 (95)
Segunda Leitura 2 Tim 1,6-8.13-14
Evangelho Lucas 17,5-10

Fonte: Liturgia Diária CNBB

Mensagem Principal

Caríssimos irmãos e irmãs, iniciamos o Mês Missionário Extraordinário convocado pelo Papa Francisco com o tema: “Batizados e enviados. A Igreja de Cristo em missão no mundo”. Somos interpelados a reavivar o dom da nossa fé e abrir nossos corações à missão além-fronteiras. Nesta celebração, nos unimos ao Papa Francisco e ao Sínodo Pan Amazônico, em Roma e, também à Igreja no Brasil que celebra a Semana Nacional da Vida. Pedimos a graça de vivenciarmos nossa vocação missionária no serviço solidário ao próximo, defendendo e promovendo a dignidade da vida humana. 

Fonte: Nova aliança

Para ajudar a refletir e entender o evangelho de hoje:
Preparem-se... estamos preparando o alimento espiritual para os preferidos de Jesus: as crianças!

Na Palavra de Deus que hoje nos é proposta, cruzam-se vários temas (a fé, a salvação, a radicalidade do "caminho do Reino", etc.); mas sobressai a reflexão sobre a atitude correta que o homem deve assumir face a Deus. As leituras convidam-nos a reconhecer, com humildade, a nossa pequenez e finitude, a comprometer-nos com o "Reino" sem cálculos nem exigências, a acolher com gratidão os dons de Deus e a entregar-nos confiantes nas suas mãos.
Na primeira leitura, o profeta Habacuc interpela Deus, convoca-o para intervir no mundo e para pôr fim à violência, à injustiça, ao pecado... Deus, em resposta, confirma a sua intenção de atuar no mundo, no sentido de destruir a morte e a opressão; mas dá a entender que só o fará quando for o momento oportuno, de acordo com o seu projeto; ao homem, resta confiar e esperar pacientemente o "tempo de Deus".
O Evangelho convida os discípulos a aderir, com coragem e radicalidade, a esse projeto de vida que, em Jesus, Deus veio oferecer ao homem... A essa adesão chama-se "fé"; e dela depende a instauração do "Reino" no mundo. Os discípulos, comprometidos com a construção do "Reino" devem, no entanto, ter consciência de que não agem por si próprios; eles são, apenas, instrumentos através dos quais Deus realiza a salvação. Resta-lhes cumprir o seu papel com humildade e gratuidade, como "servos que apenas fizeram o que deviam fazer".
A segunda leitura convida os discípulos a renovar cada dia o seu compromisso com Jesus Cristo e com o "Reino". De forma especial, o autor exorta os animadores cristãos a que conduzam com fortaleza, com equilíbrio e com amor as comunidades que lhes foram confiadas e a que defendam sempre a verdade do Evangelho.




Ideia de roteiro para teatro


PA: Oi PB. Tudo  bem?

PB: Oi PA tudo e você?

PA: Ah eu estou precisando  de  ajuda. 

PB: Ajuda pra que PA?

PA: Preciso que você me ajude a pesquisar uma forma de aumentar a minha fé. 

PB: Como vamos fazer isso PA? Não dá pra saber o tamanho da fé. 

PA: Ah PB eu quero ser discípulo de Jesus,  mas pra isso acontecer preciso de uma fé  muito grande! A maior de todas. Do tamanho de um pote de mostarda.

PB: Pote de mostarda?

PA: É PB! O evangelho falou sobre a mostarda.

PB: falou sobre grão  de mostarda PA. E  o  grão de mostarda  é bem pequenininho.

PA: Sério  PB?

PB: Sim! 

PA: Como posso fazer coisas incríveis  com uma fé pequenininha?

PB: Ah PA, quem faz todas as coisas  é Jesus. A gente pode só ajudar um pouco!

PA: Ah  olha a catequista! Ela deve saber o que fazer pra aumentar a fé.

Catequista: Oi Crianças! 

PA: Oi  Catequista! Ainda bem que você chegou! Eu estava pedindo ajuda para o PB pra aumentar a minha fé!

PB: Pois é Catequista! Falei pro PA que não dá pra medir o tamanho da fé!

PA: Eu tava achando que tinha que ser grande como um pote de mostarda, mas PB me falou que é pequenininha como um grão de mostarda.

Catequista: Sim PA! Jesus nos ensina que precisamos ter fé, e que acreditando Nele seremos capazes de realizar grandes obras. Podemos como discípulos de Jesus ser sinais do Reino Dele por onde andarmos.

PA: Mas catequista! Uma fé grande vai me ajudar fazer coisas incríveis!

Catequista: Que tipo de coisas incríveis você quer fazer?

PA: Ah Catequista no Evangelho fala que podemos mandar uma arvore sair de seu lugar e andar sozinha, então pensei que talvez pudesse mandar meus brinquedos pras caixas sozinhos, meu quarto ficar limpinho e arrumado sem que eu precise fazer todo o trabalho.

Catequista: Ah PA! Não é pra isso que precisamos fé! Precisamos fé para sermos como Jesus e aceitar seu chamado para que o Reino de Deus aconteça em nossas vidas e de todos aqueles que convivem conosco.

PB: E a nossa fé precisa ser muito grande pra ser discípulo? Precisa Jesus aumentar a nossa fé primeiro?

Catequista: Jesus nos fala que mesmo se nossa fé for pequenininha faremos grandes obras. Precisamos aceitar o convite Dele para termos uma vida de serviço ao Reino de Deus e para levarmos todos os nossos irmãos a conhecerem esse Reino que é projeto de Deus para todos os seus filhos.

PA: E eu tava pensando só nas minhas coisas e me esquecendo que ser discípulo de Jesus é ajudar a todos os que precisam e ser sinal do amor de Deus na vida da pessoas.

Catequista: Cada vez que aceitamos o chamado de Jesus damos um passo a mais na nossa fé.

PA: E assim ela aumenta? 

Catequista: Sim PA! Caminhando com Jesus e tendo uma vida à seu serviço nossa fé é renovada pois vemos sua ação e somos instrumentos dele para transformar tudo aquilo que precisa ser transformado.

PB: Como podemos aceitar o convite de Jesus Catequista?

Catequista: Amando e ajudando o nosso próximo, sendo caridosos, pacientes, respeitando as pessoas, acolhendo aqueles que precisarem.

PA: E fazendo tudo isso vamos sentir Jesus mais pertinho da gente não é?

Catequista: Sim PA e também levaremos Jesus e seu reino de amor pra mais pertinho das pessoas.

PB: Vamos PA, também quero ser discípulo de Jesus junto com você!


Catequista: Isso mesmo crianças! É muito bom trabalhar pelo reino de Deus!


Sugestão de Música






Ideia para trabalhar esse Evangelho


Coloque as crianças em círculo. Uma pessoa representando Jesus, vai andar pelo círculo escolhendo seus "discípulos" que deverão andar atrás de Jesus formando uma grande corrente.
Canta-se a seguinte música: Jesus foi passear, pra buscar o seu discípulo. Ei você também! Vem fazer parte dessa missão.

Oração
Senhor Jesus que possamos aceitar sempre seu convite para sermos discípulos e trazer o seu Reino para aqueles que mais precisarem através do amor, respeito e cuidado.






terça-feira, 17 de setembro de 2019

Evangelho de Lucas 16, 19-31

Missa de 29 de setembro de 2019

26º DOMINGO DO TEMPO COMUM
                                          
                                         
Leituras
Primeira Leitura Am 6, 1a. 4-7
Salmo 145/146
Segunda Leitura 1Tm 6, 11-16
Evangelho Lc 16, 19-31

Mensagem Principal
Num mundo que insiste em dividir a humanidade entre ricos e pobres, a Palavra de Deus nos chama à verdadeira profecia que denuncia a dureza do coração de muitos homens e mulheres. A Justiça de Deus chama-nos a construir a igualdade com relações solidárias e carregadas de amor. Por isso, ao encerrarmos o Mês da Bíblia, peçamos nesta celebração Eucarística a graça da conversão e da transformação de nossa realidade. Fonte: Folheto Nova Aliança

Para ajudar a refletir e entender o evangelho de hoje:

Preparem-se... estamos preparando o alimento espiritual para os preferidos de Jesus: as crianças!

A parábola tem duas partes.
Na primeira (vers. 19-26), Lucas apresenta os dois personagens fundamentais da história, segundo um cliché literário muito comum na literatura bíblica: um rico que vive luxuosamente e que celebra grandes festas e um pobre, que tem fome, vive miseravelmente e está doente. No entanto, a morte dos dois muda radicalmente a situação. O que é que, verdadeiramente, está aqui em causa?
Atentemos nos dois personagens… Do rico diz-se, apenas, que se vestia de púrpura e linho fino, e que dava esplêndidas festas. De resto, não se diz se ele era mau ou bom, se frequentava ou não o templo, se explorava os pobres ou se era insensível ao seu sofrimento (aparentemente, isso não é decisivo para o desfecho); no entanto, quando morreu, foi para um lugar de tormentos. Do pobre Lázaro diz-se, apenas, que jazia ao portão do rico, que estava coberto de chagas, que desejava saciar-se das migalhas que caíam da mesa do rico e que os cães vinham lamber-lhe as chagas; quando morreu, Lázaro foi “levado pelos anjos ao seio de Abraão” (quer dizer, a um lugar de honra no festim presidido por Abraão. Trata-se do “banquete do Reino”, onde os eleitos se juntarão – de acordo com o imaginário judaico – com os patriarcas e os profetas); não se diz, no entanto, se Lázaro levou na terra uma vida exemplar ou se cometeu más acções, se foi um modelo de virtudes ou foi um homem carregado de defeitos, se trabalhava duramente ou se foi um parasita que não quis fazer nada para mudar a sua triste situação…
Nesta história, não parecem ser as acções boas ou más cometidas neste mundo pelos personagens (a história não faz qualquer referência a isso) que decidem a sorte deles no outro mundo. Então, porque é que um está destinado aos tormentos e outro ao “banquete do Reino”?
A resposta só pode ser uma: o que determina a diferença de destinos é a riqueza e a pobreza. O rico conhece os “tormentos” porque é rico; o pobre conhece o “banquete do Reino” porque é pobre. Mas então, a riqueza será pecado? Aqueles que acumularam riquezas sem defraudar ninguém serão culpados de alguma coisa? Ser rico equivale a ser mau e, portanto, a estar destinado aos “tormentos”?
Na perspectiva de Lucas, a riqueza – legítima ou ilegítima – é sempre culpada. Os bens não pertencem a ninguém em particular (nem sequer àqueles que trabalharam duramente para se apossar de uma fatia gorda dos bens que Deus colocou no mundo); mas são dons de Deus, postos à disposição de todos os seus filhos, para serem partilhados e para assegurarem uma vida digna a todos… Quem se apossa – ainda que legitimamente – desses bens em benefício próprio, sem os partilhar, está a defraudar o projecto de Deus. Quem usa os bens para ter uma vida luxuosa e sem cuidados, esquecendo-se das necessidades dos outros homens, está a defraudar os seus irmãos que vivem na miséria. Nesta história, Jesus ensina que não somos donos dos bens que Deus colocou nas nossas mãos, ainda que os tenhamos adquirido de forma legítima: somos apenas administradores, encarregados de partilhar com os irmãos aquilo que pertence a todos. Esquecer isto é viver de forma egoísta e, por isso, estar destinado aos “tormentos”.
Na segunda parte do nosso texto (vers. 27-31), insiste-se em que a Escritura – na qual os fariseus eram peritos – apresenta o caminho seguro para aprender e assumir a atitude correcta em relação aos bens. O rico ficou surdo às interpelações da Palavra de Deus (“Moisés e os Profetas”) e isso é que decidiu a sua sorte: ele não quis escutar as interpelações da Palavra e não se deixou transformar por ela. O versículo final (vers. 31) expressa perfeitamente a mensagem contida nesta segunda parte: até mesmo os milagres mais espectaculares são inúteis, quando o homem não acolheu no seu coração a Palavra de Deus. Só a Palavra de Deus pode fazer com que o homem corrija as opções erradas, saia do seu egoísmo, aprenda a amar e a partilhar.
A história que nos é proposta é uma ilustração das bem-aventuranças e dos “ais” de Lc 6,20-26… Anuncia-se, desta forma, que o projecto de Deus passa por um “Reino” de fraternidade, de amor e de partilha. Quem recusa esse projecto e escolhe viver fechado no seu egoísmo e auto-suficiência (os ricos), não pode fazer parte desse mundo novo de fraternidade que Deus quer propor aos homens (a imagem dos “tormentos”, contudo, não deve se levada demasiado a sério: faz parte do folclore oriental e das imagens que os pregadores da época utilizavam para impressionar as pessoas e levá-las a modificar radicalmente o seu comportamento). Fonte: Dehonianos.org
Ideia de roteiro para teatro


Personagem A: Oi amigo, tudo bem?

Personagem B: É... tudo! (responde desanimado)

Personagem A: Ai credo, que desânimo! Acho que não está tudo bem coisa nenhuma! Que cara é essa?

Personagem B: Ah, tô triste, preocupado, chateado e até um pouco nervoso!

Personagem A: Nossa! Então é grave! O que houve?

Personagem B: Sim, é muito muito grave!

Personagem A: Ai ai, tô ficando preocupado e nervoso também! Me diz o que aconteceu!

Personagem B: Foi lá na catequese!

Personagem A: Na catequese???

Personagem B: É... e se eu soubesse o que a catequista iria pedir eu dava um jeito de ter faltado...

Personagem A: Eu não estou entendendo é nadinha!

Personagem B: Pois veja só, acredita que a catequista pediu pra semana que vem cada um levar um brinquedo?

Personagem A: Oba! Dia do brinquedo, igual na escola!

Personagem B: Que oba o que!?! Não é nada disso! Se fosse eu estaria mega feliz! Mas acontece que ela pediu pra levarmos um brinquedo para doar, falou que tem crianças que não tem brinquedos... e quando tem muitas vezes está quebrado, faltando peças...

Personagem A: Ué, e você está triste por quê? Eu adorei a ideia! Pois é verdade o que ela falou... eu já ouvi que tem muitas crianças que não tem brinquedo, e não é só isso... as vezes não tem sapato, roupa, lápis de cor, biscoito recheado, salgadinho... Por isso temos que partilhar, daí quando morrermos vamos pro céu!

Personagem B: Credo, não me fale em morrer, ainda sou muito criança pra pensar nisso!

Personagem A: Isso é, mas temos que ter bom coração durante toda a vida e não apenas quando morrer!

Personagem B: Ah, quer saber de uma coisa!? Semana que vem eu vou ficar muito doente e vou faltar na catequese, daí não preciso me despedir de nenhum brinquedo lindo que tanto amo!

Catequista entra

Catequista: Olá crianças! Tá tudo bem por aqui? Eu ouvi alguém dizendo que vai faltar na catequese... é isso mesmo?

Personagem A: É isso mesmo... o Personagem B falou que... (é interrompido pelo Personagem A)

Personagem B: Ah, não falei nada não... É que... é que.... Ah sabe o que é catequista, eu não tenho condição de escolher um brinquedo pra doar, é muito difícil, gosto de todos, amo todos, adoro todos!

Personagem A: E só pra constar ele tem muito e muitos brinquedos...

Catequista: Nossa, e será mesmo que não tem unzinho que você não brinque mais?

Personagem A: Até tem! Mas ainda gosto deles... Cada um tem uma história... tem uns que tive que me esforçar muito pra conseguir!

Personagem B: Mas amigo, você está sendo egoísta! Um brinquedo a mais ou um brinquedo a menos pra você não fará diferença, você tem tudo o que quer! E para uma criança pobrezinha um brinquedo novo fará muita diferença, será uma grande alegria!

Catequista: Exatamente! Ao invés de você pensar só em você, que tal pensar no próximo, nos pobres, nos necessitados! Pois é o que Jesus nos ensina, não é verdade?

Personagem A: É verdade! (envergonhado)

Personagem B: Foi o que eu estava tentando te dizer! E não é catequista que quando partilhamos vamos para o céu?

Catequista: Vamos para o céu quando seguimos Jesus, quando somos caridosos, bondosos, quando paramos de olhar para nosso umbigo e olhamos para o mundo ao nosso redor e enxergamos as necessidades do outro.

Personagem A: Eu me preocupo com os outros, tenho dó, mas...

Personagem B: Eu não sei pra que tantos brinquedos, nem dá tempo de brincar com tudo...

Catequista: O egoísmo nos afasta de Deus! Impede que vivamos em comunidade e que façamos o bem! De nada adianta ter todas as coisas materiais se o nosso coração estiver vazio!

Personagem A: Ai, tô me sentindo um bobo egoísta.

Catequista: Certa vez ouvi uma frase muito linda e quero que vocês também aprendam e guardem pra sempre no coração.

Personagem B: Como uma lição? E como é?

Catequista: A frase é assim: Você faz o bem na terra e ganha um tesouro no céu!

Personagem A: Puxa! Linda mesmo!!!

Catequista: Não importa as coisas que temos e sim as que fazemos! Ter um, dois, três ou dez brinquedos podem não nos fazer verdadeiramente felizes. O que levamos pra vida são as coisas que trazemos no coração, como o amor, a amizade, a caridade, a doação!

Personagem B: E mais vale um brinquedo doado do que 2 engavetados! hehe

Personagem A: É verdade! Aprendi uma linda lição pra vida toda! Mas quer saber? Não vou doar um brinquedo!

Catequista e Personagem B: Não???

Personagem A: Vou doar logo 3!


Catequista: Isso mesmo, parabéns! Fico muito feliz e orgulhosa! E pode saber que Jesus e outras crianças ficarão ainda mais felizes que eu!

Sugestão de Música

E é lá no céu que encontramos nosso verdadeiro tesouro!


Ideia para trabalhar esse Evangelho


Fazer uma fila de cadeiras, uma atrás da outra, como um trenzinho. Essa fila irá simbolizar um muro. (use o numero de cadeiras conforme o número de crianças)

Identifique um lado da fileira como “NOS APROXIMA DE DEUS” e o outro lado como “NOS AFASTA DE DEUS”.

Usando folhas de papel duro, escreva frases com a pergunta:
Essa atitude nos aproxima ou nos afasta de Deus?

Exemplos:
Obedecer os pais, nos aproxima ou nos afasta de Deus?
Não mentir, nos aproxima ou nos afasta de Deus?
Fazer o bem, nos aproxima ou nos afasta de Deus?
Não ajudar o próximo, nos aproxima ou nos afasta de Deus?
Não nos apegar a coisas materiais, nos aproxima ou nos afasta de Deus?
Com as crianças sentadas nas cadeiras, faça uma pergunta para cada criança... E conforme responde, a criança deixa a cadeira e vai para o lado escolhido (próximo ou afastado de Deus).

Exemplo:
Pergunta da catequista: Obedecer os pais, nos aproxima ou nos afasta de Deus?
Resposta da criança: Nos aproxima.
Então catequista direciona criança para o lado que está identificado como ‘NOS APROXIMA DE DEUS’.

Pergunta da catequista: Não ajudar o próximo, nos aproxima ou nos afasta de Deus?
Resposta da criança: Nos afasta.
Então catequista direciona criança para o lado que está identificado como ‘NOS AFASTA DE DEUS’.

Depois de feitas todas as perguntas a catequista explica que essa brincadeira é para percebermos que estar próximo ou afastado de Deus é uma escolha nossa, como quem escolhe em qual lado  do muro quer viver! E que não é possível estar dos dois lados ao mesmo tempo. Explica também que somente com boas atitudes, ajudando as pessoas, amando uns aos outros e acreditando no amor de Deus é que conseguiremos estar juntinho de Jesus e de nosso amado Deus.

Depois, para abordar tema dividir, partilhar e doar, a catequista volta a questão do apego às coisas materiais.

Catequista inicia perguntando,
Crianças, Deus quer que todos nós tenhamos um coração bondoso e que só tenhamos atitudes boas e uma das principais atitudes que devemos ter é a Caridade, isso mesmo, caridade.
E sabe uma ótima forma de praticar a caridade?
É NÃO nos apegarmos às coisas materiais!

E sabem como podemos demonstrar a Deus que somos caridosos e que não temos apego por coisas materiais??
Fazendo doações, isso mesmo doações!
E vocês sabem o que as crianças podem doar???
Brinquedos e roupas...e explicar a questão da doação, que existem muitas crianças que não tem condições de ter nenhum brinquedo, nem roupas e as vezes nem comida.
E então, nós deveríamos doar aqueles brinquedos que não brincamos mais e aquela roupinha que não serve mais.
Essa é uma atitude que Deus ama e quer que todos nós tenhamos.

Ideia: Catequista pode propor e fazer com as crianças o dia da doação, montar uma caixa e pedir que no próximo encontro todas levem um brinquedinho ou uma roupinha para a doação.

Oração


Papai do céu me ajuda a ter um coração generoso e preocupado com as necessidades dos meus irmãos!
Que eu saiba ajudar a quem precisa, assim aprenderei que o verdadeiro tesouro que posso acumular são os que trago no coração! Amém!

Hoje é dia de São Miguel Arcanjo, nosso grande anjo protetor, rezamos pedindo a intercessão dele também: 

São Miguel Arcanjo, defeidei-nos no Combate!





quinta-feira, 12 de setembro de 2019

Evangelho de Lucas 16, 1-13


Missa de 22 de setembro de 2019.
25º Domingo do Tempo Comum


O Senhor é nossa fortaleza e salvação! Mt 6, 24-34








Leituras
Primeira Leitura Am 8,4-7
Salmo Salmo 112 (113)
Segunda Leitura 1 Tim 2,1-8
Evangelho  Lc 16,1-13

Fonte: Liturgia Diária CNBB

Mensagem Principal


Neste mês da Bíblia, a Palavra de Deus chama-nos a avaliar a forma como agimos com o dinheiro e os bens materiais. Ela nos desafia a uma conversão sincera, que, diante de Cristo, relativize os bens, para que cresça em nós o desejo do Reino de Deus.

Fonte: Nova Aliança

Para ajudar a refletir e entender o evangelho de hoje:
Preparem-se... estamos preparando o alimento espiritual para os preferidos de Jesus: as crianças!

A liturgia sugere-nos, hoje, uma reflexão sobre o lugar que o dinheiro e os outros bens materiais devem assumir na nossa vida. De acordo com a Palavra de Deus que nos é proposta, os discípulos de Jesus devem evitar que a ganância ou o desejo imoderado do lucro manipulem as suas vidas e condicionem as suas opções; em contrapartida, são convidados a procurar os valores do "Reino".
Na primeira leitura, o profeta Amós denuncia os comerciantes sem escrúpulos, preocupados em ampliar sempre mais as suas riquezas, que apenas pensam em explorar a miséria e o sofrimento dos pobres. Amós avisa: Deus não está do lado de quem, por causa da obsessão do lucro, escraviza os irmãos. A exploração e a injustiça não passam em claro aos olhos de Deus.
O Evangelho apresenta a parábola do administrador astuto. Nela, Jesus oferece aos discípulos o exemplo de um homem que percebeu como os bens deste mundo eram caducos e precários e que os usou para assegurar valores mais duradouros e consistentes... Jesus avisa os seus discípulos para fazerem o mesmo.
Na segunda leitura, o autor da Primeira Carta a Timóteo convida os crentes a fazerem do seu diálogo com Deus uma oração universal, onde caibam as preocupações e as angústias de todos os nossos irmãos, sem exceção. O tema não se liga, diretamente, com a questão da riqueza (que é o tema fundamental da liturgia deste domingo); mas o convite a não ficar fechado em si próprio e a preocupar-se com as dores e esperanças de todos os irmãos, situa-nos no mesmo campo: o discípulo é convidado a sair do seu egoísmo para assumir os valores duradouros do amor, da partilha, da fraternidade.



Ideia de roteiro para teatro

PA entra com uma sacola de brinquedos e diz: Oi PB!

PB: Oi PA! Que sacola é essa?

PA: Ah! São só uns brinquedos.

PB: E o que você vai fazer com eles?

PA: Ah PB vou dar pra alguém né! Você não está vendo que está tudo quebrado?

PB: Por isso mesmo estou perguntando!

PA: Ué PB! temos que dividir as coisas né? E também se eu não doar estes meus pais não vão querer comprar brinquedos novos.

PB: Sim PA! Temos que dividir, mas não só o que não usamos mais. Isso não é partilhar. E também se você só está pensando nos brinquedos novos que vai ganhar não está doando de coração.

PA: AH PB! O importante é que estou dando e que vou ganhar muito mais! E vou ter mais brinquedos que todos os meus amigos da rua, da escola e também da catequese.

PB: Ai PA! Você não ouviu nadica do Evangelho de hoje né?

PA: Não, mas o que o evangelho tem haver com meus brinquedos novos?

PB: No Evangelho, falava que não podemos servir ... hum... como era mesmo?

PA: Viu você nem sabe e fica aí querendo me ensinar!

Catequista: Oi Crianças! O que é que você não sabe PB?

PB: Oi catequista é que estava aqui falando com PA sobre os brinquedos que ele quer doar pra ganhar muitos outros novos e ficar com mais que todo mundo e achei que tinha ouvido alguma coisa no Evangelho sobre isso, mas não sei explicar.

PA: Catequista eu posso dar os brinquedos quebrados não é? Não preciso dividir meus brinquedos novos!

Catequista: Olha PA, você gosta de ficar com os brinquedos quebrados? Eu acho que não! Então porque dar o pior pra outra criança?

PA: Pra ganhar novos!

Catequista: E por que não dividir os mesmos brinquedos que você usa?

PA: Porque alguém pode estragar e eu vou ficar sem!

Catequista: O que o PB quis te explicar é justamente sobre não partilharmos com nossos irmãos o que temos. Sobre colocar os bens materiais acima das pessoas. Quando deixamos de partilhar o que temos, estamos fazendo o contrário que Jesus pediu e deixamos de espalhar seu amor pelo mundo como verdadeiros discípulos.

PB: Era isso que eu queria explicar!

Catequista: SIM PB! Por isso precisamos sempre estar atentos porque nem sempre será fácil olhar pras necessidades de nossos irmãos. Principalmente aqueles que acabam ficando mais esquecidos, Nós como cristãos e discípulos de Jesus temos que espalhar o amor e ensinar que podemos viver em comunidade, partilhar o que temos para então fazermos verdadeiramente o que Jesus nos ensinou.

PA: Nossa gente tá bom. Não vou dar mais os brinquedos quebrados e vou dividir tudo o que tenho.

Catequista: Isso mesmo PA! Devemos dar importância para o que realmente tem valor, a vida de nossos irmãos.

PA: Sim catequista, eu já entendi tudo certinho! Vamos PB me ajude a separar só os brinquedos que estiverem bons e vamos lá pra casa pra gente brincar junto.


Catequista: Até mais crianças e lembrem-se  todos podemos ser discípulos de Jesus.

Sugestão de Música



Ideia para trabalhar esse Evangelho




Fonte: Tia Paula

Oração

Senhor Jesus que eu saiba usar tudo aquilo que me foi dado por Ti com sabedoria e aprenda a partilhar tudo o que tenho e o que sou em favor dos seus pequeninos! Amém!